Trem doido revive o Clube de Esquina no Sesc. Neste sábado

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

O Clube da Esquina é um capítulo à parte na música brasileira. Trem Doido é um olhar com alguma ousadia, mas sobretudo com reverência para aquela experiência de síntese musical que começou em Minas Gerais no final dos anos 1960 e se estendeu pelas décadas seguintes, atravessando fronteiras regionais e nacionais.

O grupo se apresenta neste sábado, 9, às 19 horas no Sesc.

A banda Trem Doido consolida o aprofundamento no universo da música mineira em seu CD de estreia, que traz releituras de nove canções de compositores do Clube. Um deles é o guitarrista e arranjador Nelson Angelo, autor das canções Fazenda e Boi, que estão presentes no disco, e convidado especial da banda para este show.

O grupo é formado por estudantes do curso de Música Popular da Unicamp e surgiu no contexto da disciplina de Prática Instrumental. Sob a orientação do professor Mário Campos, o Trem Doido desenvolve desde 2013 uma pesquisa sobre o repertório do movimento musical mineiro Clube da Esquina, do qual fazem parte predominantemente compositores e intérpretes oriundos de Minas Gerais, cuja produção a partir dos anos 1960 e ao longo da década seguinte influenciou significativamente os rumos da Música popular Brasileira.

O grupo interpreta canções de compositores como Milton Nascimento, Toninho Horta, Nelson Ângelo, entre outros, numa abordagem que combina elementos de música vocal e de música instrumental.

O Trem Doido surgiu na disciplina de Prática Instrumental, em 2013, como um trio formado por Eddy Andrade (violão), Victor Polo (guitarra) e Murilo de Lima (baixo elétrico), dedicado à criação coletiva de arranjos instrumentais para músicas de compositores do Clube da Esquina.

A partir do primeiro semestre de 2014, com a entrada de Fernando Junqueira (bateria) e Paulo Ohana (voz), a proposta deixou de ser exclusivamente instrumental, possibilitando a criação de arranjos que incluem a voz, evidenciando as letras das canções, sem perder elementos característicos da música instrumental, como seções de improviso instrumentais e vocais, além de explorar dinâmicas, sonoridades e timbres.

Utilizando a experimentação sonora e a improvisação como procedimentos criativos, o grupo constrói arranjos para a formação de quarteto – guitarra, baixo elétrico, bateria e voz – que funcionem ao vivo, uma vez que a apresentação ao vivo é o foco da realização artística do grupo.

 

Integrantes:
Paulo Ohana – Voz
Victor Polo – guitarra
Eddy Andrade – contrabaixo
Fernando Junqueira – bateria

Saiba mais

https://www.sescsp.org.br/programacao/177796_TREM+DOIDO