O planeta de um único partido. Afinal, quem é o responsável?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram

Então quem é responsável por este planeta? É um pequeno grupo de pessoas com um plano? Um grande grupo de pessoas com muitos planos concorrentes? Diversos grupos de pessoas? Faz mesmo sentido pensar em ‘controle’ neste contexto?

Para responder a essas perguntas, a organização internacional The Rules, elaborou um panfleto profundo e ao mesmo tempo elucidativo.

Publicado originalmente em inglês, o panfleto O Planeta de um Único Partido foi traduzido pelo Oa com autorização dos autores.

O que o autor, Martin Kirk propõe é que não faz sentido apenas pensar em controle neste contexto, mas é essencial.

Aqueles de nós que acreditam no potencial de muito menos desigualdade e pobreza, e um ambiente natural mais rico, mais estável, devem fazê-lo porque os poucos milhares de pessoas que estão no controle não compartilham da opinião de que nada está profundamente errado.

Eles estão na maioria certamente conscientes de seu poder e estão ocupados fazendo o que podem para estendê-lo; e eles gostariam que o resto de nós os deixassem continuar com isso.

Esta não é a história de uma conspiração no significado dramático e Hollywoodiano da palavra.

Não existem salas de controle escuras, esfumaçadas, onde um grupo de indivíduos obscuros ficam tramando juntos para espalhar o caos e miséria puramente para seu próprio prazer ou lucro.

Não é uma simples história do bem contra o mal, ou heróis contra vilões.

Há planos, há muita especulação e há um excesso de comportamento egoísta e vil, certamente, mas caracterizar isso como uma conspiração seria simplista e sem nenhum valor porque isso nos faz ignorar algumas das importantes formas como trabalha todo esse fervilhante sistema; sua lógica interna.

Não precisa haver aquele tipo de conspiração ativa para as coisas acontecerem, e até certo ponto, não existem pessoas vivas que são tão poderosas o necessário para orquestrar o controle dessa forma.

Estamos em um sistema, e, para prosperar, só precisamos de consistência lógica interna, suficiente concordância dos motivos e um grau de incompreensão entre aqueles que poderiam mudá-lo.

É leitura pra quem quer ter uma luz e compreender o que é que realmente está em jogo.

Mas é preciso fôlego. São 43 páginas, em 12 capítulos. O original em inglês está em One Party Planet

Aceitar o desafio é como tomar a pílula vermelha em Matrix: não tem volta.

O Planeta De Um Único Partido

Por Martin Kirk, The Rules

Introdução
O Quão Verdadeira é a Verdade?
O Coração e Alma Neoliberais
Estilos no poder Global
Poder financeiro
Concentração de poder
Projetos políticos ativos
Em suas próprias palavras
A lógica dentro
Enfrentando a nós mesmos
Onde existe esperança

O Júbilo dos panfletos

Os panfletos têm uma história longa e distinta em propagar idéias que podem não ser bem aceitas nos corredores, tavernas e tendas do poder.

O alarmante “THE KINGS MAIESTIES ALARUM FOR OPEN WAR, Declared by His Setting up His Standard at Dunsmore-Heath”, publicado em 1642, foi o primeiro a desempenhar um papel histórico verdadeiramente importante; ele ajudou a dar início à guerra civil Inglesa.

“Senso Comum” (1776), de Thomas Paine, declarou que “estes são tempos que põem à prova as almas dos homens” e, assim, ajudou a iniciar a Revolução Americana.

E os franceses ficaram empolgados com panfletagem no início da Revolução Francesa de 1789, com todos desde Ministérios do Rei, até filósofos e revolucionários produzindo dezenas de milhares de páginas incandescentes.

Em agosto de 1789, a Assembleia Nacional declarou que “todos os cidadãos podem falar, escrever e imprimir livremente” e a censura de todo o sistema de Estado começou a quebrar.

Panfletos ajudaram a espalhar idéias anti-escravidão na América e tal como o brutalmente intitulado,”O Negro Feliz: um relato verdadeiro de um extraordinário negro na América do Norte, e de uma interessante conversa que teve com um cavalheiro muito respeitável da Inglaterra” (1810).

O apogeu do panfleto chegou ao fim com a chegada do rádio e do cinema. Nós achamos que seu retorno pode estar próximo, devido à era digital.

Ao contrário dos livros, panfletos capturam um determinado tipo de argumento político detalhado, e muitas vezes pessoal, sem se prolongar por centenas de páginas; um alívio para o autor e o leitor igualmente.

Ao contrário de vídeos do YouTube ou qualquer coisa que você pode encontrar na TV, eles canalizam o poder que só a palavra escrita pode exercer.

Diferentemente da maioria dos artigos de jornal, eles podem adentrar nas profundezas de um problema com um tom sincero e apaixonado sem se preocupar com a necessidade de se encaixarem na faixa restrita de temas considerados aceitáveis ou comercialmente interessantes.

E, ao contrário de palestras TED, você pode mencionar a desigualdade de riqueza e fazer críticas à classe rica. Mas o melhor de tudo é que são praticamente livres de custos para produzir e distribuir, de modo que qualquer um pode fazê-lo.

Esperamos que a leitura de O Planeta De Um Único Partido seja estimulante.

Se você tiver qualquer comentário que preferir não colocar na nossa página do Facebook, ou gostaria de contribuir entre 10.000 e 30.000 palavras ou ser gentil o suficiente para nos ajudar a traduzi-los em francês, espanhol, árabe, kiswahili, ou qualquer outra língua, envie email para pamphlets@therules.org.

Se considerarmos que algo seja interessante, nós vamos formatá-lo e adicioná-lo à rede global The Rules. Se ele receber uma resposta, nós informaremos a voce.

Não prometemos sobre o quanto ele será bem aceito; este é um experimento, afinal.

Não precisa concordar conosco ou estar do mesmo lado político que ache que nos definimos. Tudo o que você precisa ser é interessante, informado e ter algo poderoso para dizer sobre política mundial, especialmente no que se refere à desigualdade e à pobreza.

Introdução

Então quem é responsável por este planeta? É um pequeno grupo de pessoas com um plano? Um grande grupo de pessoas com muitos planos concorrentes? Diversos grupos de pessoas? Faz mesmo sentido pensar em ‘controle’ neste contexto?

Este curto panfleto é uma tentativa de responder a esta pergunta. O que proponho, sim, não faz sentido apenas para pensar em controle neste contexto, mas é essencial.

Aqueles de nós que acreditam no potencial de muito menos desigualdade e pobreza, e um ambiente natural mais rico, mais estável, devem fazê-lo porque os poucos milhares de pessoas que estão no controle não compartilham da opinião de que nada está profundamente errado.

Eles estão na maioria certamente conscientes de seu poder e estão ocupados fazendo o que podem para estendê-lo; e eles gostariam que o resto de nós os deixassem continuar com isso.

Esta não é a história de uma conspiração no significado dramático e Hollywoodiano da palavra.

Não existem salas de controle escuras, esfumaçadas, onde um grupo de indivíduos obscuros ficam tramando juntos para espalhar o caos e miséria puramente para seu próprio prazer ou lucro.

Não é uma simples história do bem contra o mal, ou heróis contra vilões. Há planos, há muita especulação e há um excesso de comportamento egoísta e vil, certamente, mas caracterizar isso como uma conspiração seria simplista e sem nenhum valor porque isso nos faz ignorar algumas das importantes formas como trabalha todo esse fervilhante sistema; sua lógica interna.

Não precisa haver aquele tipo de conspiração ativa para as coisas acontecerem, e até certo ponto, não existem pessoas vivas que são tão poderosas o necessário para orquestrar o controle dessa forma.

Estamos em um sistema, e, para prosperar, só precisamos de consistência lógica interna, suficiente concordância dos motivos e um grau de incompreensão entre aqueles que poderiam mudá-lo.

A estrada para o inferno é pavimentada com boas intenções daqueles que entendem mal como sistemas complexos funcionam. E o que nós estamos falando é sobre o sistema-mãe para todos os muitos sistemas complexos em nosso planeta.

O propósito de escrever este panfleto, então, é tentar definir um pouco do que faz o sistema funcionar na maneira que ele funciona e, portanto, ajudar a estimular a discussão e que possam ser induzidas novas idéias sobre como mudar.

Começarei olhando para o interior, nossas capacidades cognitivas. O mundo que hoje vemos ao nosso redor é um reflexo da consciência humana; muito tempo se passou desde o momento onde pudemos dizer, “não fomos nós”.

Então qualquer que seja os desafios que enfrentamos – mudança climática, desigualdade galopante, intermináveis conflitos violentos ou vasto empobrecimento – são desafios, sobretudo, de e para a mente humana.

Ajuda, portanto, passarmos um breve momento refletindo sobre o que sabemos sobre seu personagem (O Quão Verdadeira é a Verdade?).

Então vamos nos direcionar para o grande volume de ensaios que apresentam território mais familiar: teorias do poder, sistemas e jogadores.

Isso será dividido em seis partes: O Coração e alma Neoliberal; Estilos no poder Global; Poder Financeiro; Concentração de Poder Corporativo; Projetos Políticos Ativos; e Em Suas Próprias Palavras.

E finalmente, alguns pensamentos sobre, talvez, o elemento mais importante e ainda menos considerado nesta grande mistura, a lógica interna do sistema; aquele alinhamento de forças que diz que nada disto realmente foi planejado e ninguém é culpado. Isto é visto em A lógica Interna, e então eu concluo com as considerações mais humanas possíveis em Enfrentando a Nós Mesmos e Onde existe Esperança.

O Quão Verdadeira é a Verdade?

Dado o alcance e a força do poder humano, é decepcionante pensar quão pouco nós agimos na verdade objetiva, muito menos na (verdade) absoluta.

Independentemente se estamos decidindo onde ir de férias ou negociando um acordo de comércio global, nosso raciocínio atravessa por camadas e camadas de suposições, associações, emoções e experiências e passamos tudo por propensões cognitivas, que têm muito a ver com a confirmação do que já acreditávamos.

Isto é importante para o que se segue, porque coloca em contexto o que devemos esperar de nós mesmos, tanto como espécie agindo da maneira que somos, e como indivíduos, respondendo ao que presenciamos.

Nós devemos ser gentis e compreensivos conosco mesmos, mas apenas na medida em que combinamos a compaixão com a humildade.

Começando com o reconhecimento essencial que nenhum de nós é particularmente racional, e nenhum de nós tem o discernimento suficiente para realmente entender tudo o que precisamos para tomar boas decisões.

Devemos ser humildes como forma de garantir que as decisões que tomamos sejam semelhantes em escala e alcance à percepção que temos sobre seu provável impacto.

Isso é muito raro, se possível em sentido absoluto, é claro, por causa de efeitos caóticos, mas ser consciente da tensão que este ideal cria gera um bálsamo humilhante refrescante.

E um lembrete de nossa subjetividade e limitações embutidas é especialmente importante ao considerarmos idéias que são tão grandiosas como as que se seguem.

Infelizmente, em face do medo e limitações, ou quando pegos pela escravidão do poder, da arrogância e da psicopatia, não da humildade, é muitas vezes o que predomina.

Quando o medo é o condutor, nossas mentes entram no modo combater ou fugir, e tudo é comparável a essa forma mais simples. Nós cortamos a ambigüidade em favor de decisões sim/não a fim de fazer o que for necessário para sobreviver.

Isso inclui tornarmo-nos cada vez mais materialistas, mais orientados pelo grupo que nos cerca e com pensamentos mais a curto prazo.

Esta é uma das razões por que nunca é uma boa idéia tentar motivar as pessoas a mudanças complexas através do medo, algo que o movimento ambientalista está aprendendo agora, depois de insistir por muitos anos em motivar as pessoas com cenários apocalípticos.

Porque o poder é o que os psicólogos chamam de um valor extrínseco, isso requer estimulação externa constante.

Em outras palavras, você precisa de mais e mais estímulos para alcançar ou manter a resposta psicológica positiva original; como qualquer viciado, precisando de uma dose constante.

Então o poder cria um desejo de poder.

Uma vez que estamos neste estado, uma das duas coisas geralmente acontece: ou nos tornamos tão encantados com isso que nosso instinto inerente e a capacidade de conectarmo-nos às necessidades e sentimentos daqueles sobre quem impacta o nosso poder desvanecem ou extinguem-se, ou podemos sucumbir à psicopatia. Os sintomas de ambos são quase indistinguíveis, exceto em grau, pois ambos caracterizam-se por uma incapacidade de considerar os outros suficientemente; uma falta de empatia, em outras palavras.

O primeiro pode acontecer a qualquer um, é o que dá a verdade à velha máxima de que todo poder corrompe, e o poder absoluto corrompe absolutamente. Por outro lado, psicopatas nascem assim, não são formados. Não dá para se dizer que todos que nascem com tendências psicopatas sucumbem a elas, mas você não pode ser transformado em psicopata, não mais do que possa ser transformado em gay, se você é heterossexual, ou negro, se você é branco.

O problema que enfrentamos é que o nosso sistema econômico e político precisa cada vez mais do comportamento psicopata em seus líderes. Quem pode tomar as ‘decisões difíceis’ nos negócios sempre, em certa medida, foram recompensados, assim como aqueles que podem pisar sobre os outros na subida do pau de sebo para o sucesso político.

Foi essa percepção que levou Platão a dizer, “Aqueles que buscam o poder não são dignos desse poder.”

Mas como as organizações – particularmente mega-corporações – têm disseminado suas manifestações globais atuais, assim como o grau a que seus líderes têm que estar confortáveis em não compreender os impactos que suas ações têm sobre as outras pessoas.

A preocupação em si mesmos e em seus próprios sucessos não mudou, mas a falta de preocupação – você pode, se você estava se sentindo caridoso, chamá-la de cegueira intencional – sobre todas as ramificações de suas decisões sobre a vida dos outros teve de crescer exponencialmente.

Ao final disto, você tem a aprovação das empresas tabaqueiras, cujos chefes devem ter psicopatia profunda para lucrar como fazem causando diretamente a morte de centenas de milhões de pessoas.

Mas todas as megacorporações agem de maneira que causam grande sofrimento; você não consegue girar um martelo daquele tamanho ao redor sem arrancar fora algumas cabeças.

É essencial, para qualquer um no topo das organizações, em primeiro lugar, ser capaz de preocupar-se o suficientemente menos com tais coisas para concentrar-se em seu próprio lucro e crescimento econômico a tal ponto que obscureça ou mesmo aparentemente justifique que detenham tal poder irreconhecível.

A pressão psicológica sobre alguém desprovido de certo grau de psicopatia seria demasiada para suportar. Você pode imaginar como Platão julgaria aqueles que procuram exercer o poder e investiram no cargo de CEO da ExxonMobil, Apple ou Barclays Bank, e que posteriormente segue as regras daquele empreendimento e promove o crescimento dessa organização e de seu poder ainda mais.

Então, longe da visão de Platão ser uma obviedade sem graça que lemos e ignoramos – com o tipo de gracejos “todo poder corrompe, mas alguém tem que governar” que vemos em todos os lugares – seria melhor tratá-la como algo para se levar muito a sério e tentar reagir com o tipo de restrições sociais que nós rotineiramente utilizamos para controlar tal comportamento em pessoas que não detêm imensa riqueza ou poder.

Precisaríamos de um outro panfleto para corretamente dissecar essa psicologia do poder, mas basta dizer que se bem-estar psicológico é definido por uma capacidade de atingir autorrealização – um estado que Maslow definiu como necessárias, entre outras coisas, compaixão social, confortável aceitação de si mesmo, dos outros e da natureza e percepção eficiente da realidade – então poder excessivo é, sem dúvida, prejudicial psicologica e neurologicamente.

Tudo isso é verdade tanto em nível social como individual. A mente coletiva de uma sociedade é tão suscetível à arrogância e à psicopatia como a de qualquer líder totalitário enlouquecido por poder. O sintoma que temos visto várias vezes ao longo da história, à medida que a arrogância e psicopatia se instalam, é a construção de sistemas que não podem ser controlados, ou sequer mantidos.

O crescimento Maia, por exemplo, teve muito a ver com as inovações na agricultura e a construção de sistemas complexos de irrigação fenomenais que acabaram demandando mais água do que o ambiente poderia fornecer confiavelmente ano após ano; um problema que os engenheiros que os construíram não tinham a habilidade de corrigir.

Por muitos anos, tudo estava bem. Mas quando uma série de secas drenou o sistema além do ponto onde ele poderia manter a população alimentada, a pressão social, econômica e política resultante contribuiu significativamente para a desestabilização e implosão final daquela civilização. Em outras palavras, sua capacidade de construir o sistema foi além de sua capacidade de sustentá-la.

Os romanos, por outro lado, aumentaram seu império principalmente através de conquista sistemática e boa administração. Tinham, portanto, fronteiras mais que suficientes para se protegerem de vizinhos inevitavelmente hostis, e em uma demonstração eloqüente da segunda lei da termodinâmica, eles estenderam a ordem que conquistaram através da administração além do ponto onde ela – ou eles – poderia(m) gerar a energia necessária para manter a sua integridade e resistir às forças do caos e da entropia. E todos sabemos o que aconteceu em seguida.

Neste momento em nossa civilização, somos ensinados a glorificar e aspirar ao poder sobre a natureza e sobre os outros (o que mais é concorrência?), e nós não damos destaque para a humildade como um valor essencial e louvável. Para dar a este ponto o devido peso, vale a pena um curto olhar sobre como nós nos tornamos o que achamos que nós somos.

Em 1976, o Biólogo Evolucionista Richard Dawkins conjeturou que idéias, opiniões, e, coletivamente, culturas evoluem, assim como organismos físicos. Ele cunhou o termo “memes” para descrever as unidades individuais e, desde então, esse conceito básico foi validado e atualmente é amplamente aceito como teoria científica.

Uma conseqüência deste novo quadro conceitual é que ele nos ajudou a reconhecer como nossos pensamentos – memes – e a realidade – na sua significação convencional – profundamente ‘criam’ um ao outro. Não é um exagero dizer que nossos memes são nossa realidade. O modo como concebemos e depois percebemos que o mundo é inseparável dos conceitos, memes e mesmo das palavras individuais que usamos.

A partir daí, é um passo confortavelmente pequeno reconhecer como a linguagem é a armação de andaimes que une a nossa realidade e dá sua forma. E a partir daí, é outro curto passo para o reconhecimento pleno de que somos criaturas profundamente subjetivas, e o quão nossa realidade é dependente do contexto dentro do qual nos encontramos, incluindo o contexto lingüístico.

Além disso, nossa realidade é definida pela antiga máquina biológica, ou seja, nosso cérebro vivo.

Evoluímos ao longo de milhões de anos para sobrevivermos e nos reproduzirmos e, como uma espécie, para prosperarmos em nosso ambiente natural, de forma que nossa neurobiologia e processos cognitivos associados evoluíram servindo essa necessidade prática, ao invés de desenvolver qualquer requisito para lidar com o tipo de perspectivas e raciocínio necessário para orquestrar o infinitamente complexo funcionamento de todos os sistemas econômicos, políticos, tecnológicos, sociais e culturais que contribuem para o bem-estar de todo o planeta a longo prazo, ou criar condições para que todos nós, sete bilhões e meio, prosperemos.

Não é só isso, mas o nosso senso de moralidade – o impulsor biológico de empatia, consciência e de ampla preocupação com os outros é a mesma que a de nossos ancestrais pré-históricos. Como o antropólogo evolucionista Christopher Boehm diz, “os primeiros humanos inteiramente modernos… de 45.000 anos atrás… são, basicamente, o ponto final para a evolução moral no sentido biológico.

Hoje, apesar de vivermos nas cidades e escrevermos e lermos livros sobre moralidade, nossa moral na realidade é pouco mais do que uma continuação da deles”.

Nestes termos, somos herdeiros dos mesmos instintos e limitações como a dos maias e romanos. Apenas levamos o sistema de construção além de sua imaginação. Considerando que seus sistemas comparativamente limitaram as fronteiras físicas e geográficas, o nosso tem limitação apenas planetária.

Nossa era moderna – ou seja, os últimos trezentos anos – tem sido a era dos sistemas e do poder verdadeiramente globais, alimentada pela nossa surpreendente evolução tecnológica.

Nós agora rotineiramente criamos impactos em escala global, e ainda, em termos evolutivos, nós ainda raciocinamos e julgamos com a ‘máquina biológica’ ajustada para o que agora chamamos de hiperlocal e problemas de pequeno grupo.

É amplamente aceito entre os neurocientistas que aproximadamente 98% de nossa atividade cognitiva é subconsciente. Em outras palavras, a maioria do que pensamos, não sabemos que pensamos.

Nosso subconsciente está constantemente filtrando e processando, apesar de um número infinito de idéias existentes, e de novos conceitos e dados, em grande parte através do uso de metáfora (ou seja, combinando um fato básico ou conceito com outro fato ou conceito para produzir um conceito mais complexo) para produzir significado.

Muitos trabalhos têm sido feitos nos últimos 30 anos para entender como esses processos funcionam, mas mesmo assim, as bases profundas de cada uma de nossas atitudes e crenças pessoais são impossíveis de serem reconhecidas porque elas estão trancadas no subconsciente; uma região para a qual nós não temos acesso direto.

Podemos apenas triangular e especular, apelando para psiquiatras e teoria psiquiátrica, para fornecer validação igualmente subjetiva para nossas suspeitas.

E assim, de cada um de nossos complexos, únicos, em grande parte subjetivos e sempre irreconhecíveis domínios subconscientes surgem nossas opiniões e idéias.

Não é tão aleatório quanto parece estarmos todos ligados por cada domínio subconsciente uns dos outros e pelo nosso contato com a realidade tangível ou empiricamente verificável.

Além disso, a maioria das idéias contribuem para a evolução da nossa opinião muito lentamente, em termos neurológicos e, portanto, são mantidas em tensão suave e constante com outras opiniões e fatos verificáveis, mas certamente é verdade que estamos muito menos ligados a qualquer coisa que poderia ser chamada verdade absoluta e muito menos orientados pela compreensão e planejamento a longo prazo do que desejamos acreditar, e certamente menos do que precisamos para gerenciarmos com êxito os sistemas complexos e poderosos que criamos.

O desfecho é que Isaac Newton desvalorizou um pouco as coisas quando ele disse que estamos sobre os ombros de gigantes.

Acontece que, todo o nosso senso de realidade é uma herança que recebemos e, uma vez que nós adicionamos nossa própria compreensão e temperos especiais, torna-se uma coisa que passaremos para as gerações futuras.

Nossas mentes não são verdadeiramente nossas da forma comumente pensada. Nós não somos atores exclusivamente racionais em um mundo neutro; nós somos sete bilhões e meio de minúsculos pontos humanos em uma vasta rede de interconexão.

Nossas ideias e opiniões são o produto dessas pessoas dentro de nosso círculo de familiares, amigos, colegas e conhecidos; o conhecimento e os pressupostos dos nossos predecessores e ancestrais; os artistas e pensadores, cuja obra nos informa; o ambiente em que vivemos e seu efeito sobre nossos corpos e cérebros; os executivos de publicidade, artistas do entretenimento, designers e arquitetos, cuja criatividade nos afeta; nossos professores e, claro, os nossos líderes.

De fato, a estrutura de nossa realidade é esta interconexão, esta teia de sabedoria recebida que é, na melhor das hipóteses, apenas parcialmente informada pela verdade objetiva. Qualquer tentativa de espalhar nossas idéias em uma direção diferente, especialmente no sentido de desafiar a harmonia, traz tensão para a teia, e sentimos isso em nossas mentes e corpos; nos sentimos diferentes, fora do passo, talvez estressados e até mesmo em ostracismo.

Somos considerados disruptivos, radicais, extremos e até mesmo perigosos. Mas sabendo como raciocinamos e por que devemos ajudar a manter nossas mentes o mais claras e abertas, e manter-nos humildes perante qualquer senso de ‘verdade’.

Ocasionalmente, uma nova idéia chegará e mudará nossa realidade, ou talvez irá articular algo que fôssemos quase capazes de articular nós mesmos, lacrando de forma que mude algo muito profundamente sobre a forma como vemos o mundo. Em outras palavras, novas idéias podem muito literalmente alterar a nossa realidade. O mundo e sua lógica intrínseca – os porquês, comos e portantos para as coisas como nós as vemos – podem mudar num piscar de olhos.

Da mesma forma que adicionar uma conexão final a um circuito elétrico pode torná-lo ativo, ou inclinar um holograma em uma polegada pode mudar a imagem completamente, então adicionar um único pensamento ou conjunto de palavras pode alterar ou ativar uma nova e profunda lógica.

Esta é a única razão por que o movimento 1% – 99% da Occupy cresceu mundialmente tão rapidamente em 2011 – Isso coloca a peça final em um quebra-cabeça que a maioria das pessoas já havia construído em suas próprias cabeças. Então quando eles ouviram ou viram o movimento da Occupy, havia uma sensação de profundo reconhecimento; um “sim” atingiu quase imediatamente as suas cabeças.

Novamente, este desvio precoce na maneira que ‘fazemos’ realidade é importante porque é o contexto para o que podemos esperar uns dos outros e de nós mesmos; ele exprime a mutabilidade irrevogável da realidade e sua lógica anexa, e a inovativa importância de percepção sobre ‘fato’.

Minha tarefa aqui, então, é convencê-lo que esta análise e alinhamento de idéias são válidos o suficiente para, ou te sacudir, ou finalizar algo que você já esteja muito perto de saber, para que você venha a ver a lógica do nosso mundo de forma diferente, mesmo que isso desafie algumas das suas outras verdades. Claro, você pode já ter ligado esses tipos de pontos desta forma, e não haverá nada nestas próximas páginas que você sozinho ainda não tenha concluído. Se for este o caso, estou extremamente grato pela companhia.

Com tudo isso em mente, deixe-me ir direto ao ponto: um coup d’état global ocorreu tal que os governos já não governam o mundo, ou mesmo seus pequenos pedaços.

O estado nação – sim, até mesmo os Estados Unidos e a China – tem sido usurpado como unidades pré-eminentes de poder. Exceto para casos extremos como a Coreia do Norte, todos os governos agora dividem o poder em um instável, mas até agora relativamente em constante equilíbrio, com a maior das corporações multinacionais. Ninguém nos perguntou, o público, se aprovamos este novo arranjo; isso aconteceu enquanto estávamos ocupados fazendo compras.

Então, a pergunta é: quem são essas pessoas, e o que estão fazendo agora?

O Coração e Alma Neoliberais

Hoje em dia está na moda usar o termo ‘ideologia’ como um termo pejorativo, ser ideológico é ser irracional, rígido, preso na servidão de um sistema de crenças e desprendido da racionalidade. Opositores políticos são ideológicos, nós não. Mas isso é um uso descuidado da linguagem; ideologia, dentro dos parâmetros normais, não tem nenhuma posição moral por si só, é apenas um conceito para o sistema de idéias e ideais que todos nós devemos usar para operar no mundo.

Sugerir que ser ideológico prejudica uma contrária objetividade inerente é, em primeiro lugar, superstimar a capacidade humana de ser objetivo. Slavoj Zizek tem razão quando diz que, ‘Na vida cotidiana, a ideologia atua especialmente na aparentemente inocente referência à pura utilidade’. É sempre uma condição de fundo se a reconhecemos em nós mesmos ou não. Então não tenho nada contra a ideologia.

O que eu sou contra, no entanto, é o domínio uniforme de uma ideologia sobre todas as outras, e é sob isso que estamos vivendo agora. A ideologia em questão foi chamadade diversas maneiras: neoliberalismo, o consenso de Washington, capitalismo corporativo e fundamentalismo do ‘mercado livre’.

Todos estes termos significam coisas ligeiramente diferentes, mas na essência eles compartilham três crenças profundas: em primeiro lugar, a sobrevivência do mais forte através da eterna concorrência entre as partes interessadas é, na prática, a única lei sob a qual a sociedade humana pode realisticamente ser organizada; em segundo lugar, que, na hierarquia moral, riqueza financeira é comparada com sucesso na vida, que se equivale à virtude; e em terceiro lugar, que o homem [sic] é, se não uma ilha, então, no máximo, uma parte de um arquipélago de ilhas de interesses compartilhados, respondendo apenas a ele mesmo, seus colegas e, possivelmente, seu Deus, nessa ordem.

Esta é não a maneira usual que o neoliberalismo é descrito (o termo que usarei como sendo o guarda-chuva). Assim como seus sucessores, o Thatcherismo e o Reaganismo, geralmente é definido em termos econômicos; um neoliberal acredita em governos insignificantes; impostos baixos; a santidade da propriedade privada e empresas privadas; mercados ‘livres’, particularmente no trabalho, onde tudo isso alimenta a Hidra de duas cabeças, simbolizando lucro e crescimento econômico.

Mas compreendê-lo apenas em termos econômicos e não relacioná-lo às três crenças subjacentes leva ao erro. A Sra. Thatcher traduziu bem quando ela disse, após dois anos de seu primeiro mandato, “… não é que me limitei às políticas econômicas; é que me concentrei a mudar essa abordagem de fato, e mudar a economia é a forma de mudar essa abordagem. Se você alterar a abordagem, você está de fato em busca do coração e da alma da nação. Economia é o método; o objetivo é mudar o coração e a alma”.

Então, o neoliberalismo é, em primeiro lugar, filosofia moral, em segundo, economia. Ele acredita que a humanidade é melhor compreendida através da lente de suas três crenças básicas e dá-lhes forma e controle através de uma estrita doutrina econômica.

Aceitar a doutrina é aceitar as crenças, que é aceitar a definição de finalidade e identidade humanas. Questionar a doutrina é questionar as crenças e questiona a nossa identidade e propósito. Esta lógica elegante, circular e hermeticamente selada é uma das suas armas mais potentes; desafiar a doutrina econômica provoca uma sensação visceral, até mesmo ofensiva, um tabu social.

Nesse ponto, é necessário fazer uma breve nota de esclarecimento: acredito firmemente que o capitalismo tem sido pelo menos parcialmente responsável por algumas das incríveis realizações dos últimos trezentos anos. Faço essa afirmação por duas razões: em primeiro lugar, porque é tão óbvio que ignorar ou negar seria grosseiro.

A explosão de inovações e descobertas decorrentes dos regimes capitalistas e os recursos gerados aumentaram a expectativa de vida, melhoraram estilos de vida; compartilharam conhecimento; protegeram a liberdade das minorias; aliviaram a pobreza e, consequentemente, a fome. Para uma minoria no mundo, certamente, e muitas vezes em detrimento da maioria. Mas para os milhões e milhões de pessoas, dos quais sou um deles, a verdade é inegável.

E em segundo lugar, a análise que se segue pode ser facilmente repudiada como os delírios de um fanático anti-capitalista. Meu sentimento anti-neoliberalista cristalizou-se por volta dos meus trinta anos ao redor de opiniões relativamente centristas, mas eu não sou categoricamente anti-capitalista – é um termo um pouco sem sentido, na minha opinião; certamente muito amplo para ser útil – e orgulho-me de pensar que eu não sou nenhum fanático delirante.

Tudo o que descrevo está bem documentado e pode ser verificado através das maiores fontes acadêmicas ou de mídia, e eu tenho tido o cuidado de citar as referências mais convencionais possíveis.

Estilos no poder Global

Se você olhar para a constelação atual do poder, você verá uma multidão agitada de corpos, a maioria sob controle privado. Esta massa de poder em grande parte está operando em um estado de harmonia, embora isso raramente aconteça como é contado. Pelo contrário, somos encorajados a focar ao nível de conflito competitivo que existe confortável e naturalmente dentro de uma condição global de cooperação. Conflito estimula-nos; nós exijimos a emoção sofrida do voyeur e então somos facilmente alimentados diariamente com uma dieta rígida pela mídia convencional.

Mas enquanto estamos ocupados com a novela das disputas da política eleitoral diária e ‘reality shows’, uma pequena manada de governantes está ocupada refinando novas estruturas de poder. Assim como as potências coloniais nos séculos 18 e 19, eles estão dividindo o mundo em novos blocos de poder e indo direto ao ponto de quem vai vai ficar com o que.

Você poderia então perguntar qual é o problema. Se tudo é concordância e harmonia nos corredores do poder, não deveríamos estar satisfeitos? Uma disposição diferente das responsabilidades não é um pequeno preço a se pagar? A resposta é um categórico não.

Eu retornarei posteriormente com fatos e números para dar suporte a tudo isso, mas em essência, este grupo no poder está causando sofrimento desnecessário e incalculável, enquanto afirmam que mais sofrimento irá tornar tudo melhor em breve, e que, afinal, o sofrimento é um aspecto natural da vida. Estão pressionando o acelerador do crescimento impulsionado pelo combustível fóssil, mesmo que seja uma certeza quase matemática que esta estratégia está causando mudanças climáticas caóticas cada vez mais rápidas e com mais intensidade.

Assim, quando a multidão agitada de detentores do poder diz-lhe algo, você dá crédito a ela por algumas táticas inteligentes, mas por trás disso, sua estratégia é dizer que está se esforçando ao máximo, mas sendo fatalmente contida porque ‘nós não podemos mudar por conta própria’, como se houvesse outra pessoa.

Mas talvez o mais importante, não está havendo contestação. E o poder nunca deve ser deixado incontestado por muito tempo. É um dos princípios centrais da democracia. É por isso que temos mais de um partido político e uma imprensa livre. Sem eles, nós vivemos em uma plutocracia de uma mente. Um Planeta De Um Único Grupo.

Os hábitos no poder global mudaram. Estão fora de moda as estruturas globais acordadas entre os Estados-Nação e as ideias de justiça universal, e parcerias público-privadas e acordos regionais estão em alta. De fora fica o diálogo entre ideologias concorrentes, e em alta estão processos multisetoriais com uma ideologia invisível já embarcada. Nada disso é segredo, a propósito; está tudo disponível em documentos publicados, como eu mostrarei.

Apenas não estamos dando muita atenção a isso. E isso significa que não estamos questionando, tal como: como é possível que oligarcas russos possam sentar-se confortavelmente com presidentes americanos; Barões do partido chinês possam compartir o pão com magnatas do aço australianos; e diretores de ONGs peguem carona em jatos executivos com CEOs?

Qual é o propósito comum que os liga?

A resposta é uma visão de mundo, que é outra maneira de definir ideologia. Eles têm todos a mesma tarefa básica de codificar as três crenças neoliberais em prática e direito; de criar uma realidade que os reflete e os glorifica; e de construir as estruturas físicas e conceituais que fortalecem a governança global e, assim, moldam as nossas vidas.

Isto pode parecer esotérico e efêmero, mas isso é tão facilmente visto no dia a dia que já não o vemos mais. Nós somos o peixe que não pode compreender a água. Nós somos o Neo na matrix antes de tomar a pílula azul.

Considere apenas duas coisas. Primeiro, a suposição de que todo crescimento material é bom. Isto está situado no coração de toda a atividade econômica global e é o ápice da pirâmide neoliberal do propósito.

A sabedoria repassada é que, a fim de desenvolver, devemos aumentar nosso montante de bens materiais e riqueza. “Nós” países, “nós” as empresas, “nós” os indivíduos. Para os países, está consagrado na idéia do produto interno bruto (PIB); a mensuração de todo o progresso. É tão central para nossa realidade política e econômica, que é praticamente incontestável sob a ótica convencional.

Mesmo diante do absurdo, isso prospera. Tal é o poder de crescimento exponencial, que precisaremos produzir em 2014 US $ 2,7 trilhões a mais que o PIB de 2013 em novos produtos e serviços só para permanecermos nivelados em termos econômicos padrão.

O FMI diz que, acrescentar esses 3,6% ao PIB mundial em 2014, constitui recuperação reforçada; linguagem positiva, se alguma vez houve alguma. Isso é reproduzir o montante de toda a economia global em 1969, apenas em crescimento, em apenas um ano.

Junte isso com o fato de que a produção de mercadorias é essencialmente um processo de transformar matéria-prima, principalmente materiais naturais limitados, em produtos para venda. E aí a natureza suicida da besta torna-se aparente.

Mas há ainda uma outra vertente absurda. O PIB mede atividade econômica, então qualquer coisa que produza riquezas é contabilizada como positivo.

Passou despercebido, mas o governo britânico decidiu recentemente incluir os US $ 5 bilhões estimados de atividade econômica associados com o tráfico de drogas e prostituição em seus cálculos do PIB.

Isso acrescentou um agradável e profundamente cínico impulso à narrativa de recuperação do governo, mas exalta mais o absurdo chamarmos de positivo, em termos econômicos, coisas de que a lei proíbe. Nem tudo isso, no entanto, consegue penetrar a ortodoxia de que o crescimento econômico é o mais importante indicador do progresso.

Há um grande e crescente campo da teoria econômica dedicada à idéia de “estado estacionário” ou “não crescimento” da economia, com economistas como Tim Jackson e Charles Eisenstein , e instituições, como o New Economics Foundation promovendo trabalhos tão altamente confiáveis e importantes.

Se a idéia de uma economia sem crescimento soa como uma contradição para você, no entanto, esse é o poder da ortodoxia em sua mente. Mas, na verdade, há pouca razão para exigir um crescimento constante e indiferenciado.

Em segundo lugar, a idéia de que a concorrência entre as partes interessadas é a única forma realista de ordenação da sociedade. Haverão mais evidências ridicularizando essa ideia posteriormente, mas por agora é válido considerar apenas como o quão profundamente esta suposição entra na nossa governança e estruturas econômicas.

É o meio de se avaliar tudo, do PIB às tabelas classificativas na educação e a publicidade ao consumidor. Tudo é voltado para a promoção e validação da ideia de que devemos ser melhores do que outro em tantas maneiras materialistas possíveis.

Acabar com a competição entre ideias dominantes de progresso as deixaria inteiramente ocas, desde o pressuposto neoliberal do poder nos países ricos na década de 1980. O fato de que isso está em contraste com nossa longa história e muito do que a ciência está nos dizendo sobre o que faz os seres humanos prosperarem está fora de questão. Ciência e evidência não são páreos para a ideologia.

Ideias de crescimento econômico e concorrência existiam muito antes dos neoliberais, é claro, mas apenas com a ascensão da lógica distorcida da natureza humana, desencadeada pela Revolução Industrial, é que isso foi visto como nossa Primeira Diretriz.

Através da desregulamentação, privatização, redução de impostos sobre as empresas e a constante redução dos serviços sociais e dos salários dos trabalhadores, eles têm defendido a idéia de que o crescimento – particularmente seu crescimento – e concorrência – especialmente quando as regras são manipuladas em seu favor – são virtudes morais intocáveis.

Tão fortemente essa ideia é aceita, exortada e encarnada por aqueles com verdadeiro poder global, e tão extrema, específica e separada do que uma vez foram considerados padrões normais de propósito humano e de progresso, que é justo dizer que, para todos os efeitos, eles são todos membros do mesmo partido político.

Você pode apontar os Balcãs, ou guerras cibernéticas, ou para a falha em alcançar um acordo de mudança climática global como evidências de falhas ideológicas. Digo que esses terríveis acontecimentos como aqueles nos Balcãs, e a crescente ameaça de guerra cibernética são guerras de território meramente competitivas, do tipo que adoramos assistir, entre eleitorados rivais dentro do mesmo partido.

Quem já esteve envolvido em política partidária, sabe que as facas mais afiadas são reservadas para os colegas, não à oposição.

Quanto à mudança climática, a falta de um acordo global é prova positiva de que eles compartilham uma crença que é mais profunda do que a política, que é filosófica e moral, e que tem o crescimento econômico através da competição perpétua de interesse próprio como a incontestável prioridade.

Simplificando, um acordo global que requer ação de todos introduziria um elemento proibitivamente instável em um sistema que está cuidadosamente equilibrado sobre uma base de competitividade selvagem. Ele exige pensar além do interesse econômico próprio, para que não atue em um sistema que reconhece apenas o valor econômico e celebra vantagem pessoal.

Ninguém do Partido Único pode, quer, ou sabe como desafiar a Primeira Diretriz, e então nossas atenções concentram-se no próximo nível abaixo. Somos levados a acreditar que há conflito profundo onde na verdade existe acordo profundo.

Talvez tudo isso parece exagerado, um pouco de exagero distópico estridente. É tempo, então, de mudar de prosa para fatos.

Cada um dos seguintes conjuntos de fatos analisam a situação de uma perspectiva diferente, a fim de dar-lhe uma imagem detalhada, em poucas palavras.

O que procuramos é a distribuição do poder econômico e político global, através de quatro lentes: poder financeiro; concentração do poder; manobras políticas atuais; e finalmente, em suas próprias palavras.

Poder financeiro

Primeiramente, finança bruta: em 2011, 110 das 175 maiores entidades econômicas na terra foram as corporações, com o setor empresarial representando uma clara maioria (mais de 60 por cento) sobre os países.

As receitas das mega-corporações como a Royal Dutch Shell, Exxon Mobil e Wal-Mart eram maiores do que o PIB de 110 economias nacionais, ou mais da metade dos países do mundo. As receitas da Royal Dutch Shell, por exemplo, se equiparavam com o PIB da Noruega e eram maiores que a da Tailândia, Dinamarca ou Venezuela.

Estes números poderiam ser mal interpretados, pois não são completamente comparáveis, mas servem para mostrar as ordens de grandeza do poder econômico e o fato de que mais está em mãos privadas do que públicas.

Perturbador, embora isso apareça na superfície, no entanto, nem todo aspecto sobre isso é novo; a riqueza privada tem excedido em muito a pública na maioria dos países há séculos.

O que torna isso novidade é o grau ao qual está organizado mundialmente e o grau ao qual infiltrou-se nas estruturas políticas de poder. Em muitos países, é praticamente impossível saber onde um termina e o outro começa.

Em nenhum lugar isto é mais aparente do que nos Estados Unidos, onde está baseado tanto poder corporativo, onde agora é totalmente legal para interesses privados canalizar quantidades ilimitadas de dinheiro para a política.

Mesmo antes das decisões da Citizens United e McCutcheon, a política americana já era fortemente influenciada pelo dinheiro. A análise mais profunda veio de uma empresa de pesquisa de investimentos chamada Strategas cuja obra levou a revista The Economist concluir, “parece notável que empresas não fariam nada além de lobby”.

Strategas mesmo diz, “está quase estatisticamente difícil de acreditar”. Você pode entender por que, dado que, como um investimento, pomover lobby superou o índice Standard and Poor’s em 11% por dez anos consecutivos e em 30% em 2012.

Teremos que esperar para ver qual será a taxa de retorno agora no mundo pós-McCutcheon , mas é muito difícil de acreditar que será menor.

Esta é a definição de capital que influencia a política a favor daqueles com capital, para um deslumbrante grau – alguém poderia dizer, lendo a literatura da Strategas, desavergonhado – e isso é uma forma de corrupção do processo democrático na única superpotência do mundo, mas não há praticamente nenhum governo na terra que não repita as crenças e práticas dessas mega-corporações.

Das grandes potências mundiais, Rússia e China, talvez, fiquem em uma classe ligeiramente diferente, mas não por que a corrupção seja menos evidente, e sim meramente por tomar uma forma diferente. Em ambos os casos, as linhas entre a riqueza privada e poder público são ainda menos bem definidas.

Concentração de poder

A concorrência certamente não é a que costumava ser.

Em um estudo recente de 43.000 empresas transnacionais, o Swiss Federal Institute of Technology constatou que, “as corporações transnacionais formam uma estrutura gigante em forma de gravata borboleta e […] uma grande parte do controle flui por um pequeno e denso núcleo de instituições financeiras.”

As 147 empresas centrais controlam 40% da riqueza da rede, enquanto apenas 737 controlam 80%. Esse vai ser o 1% de 1%, pode-se dizer, ou o 0,01%.

Além disso, espreitando pelas janelas da sala de reuniões, é fácil ver que até mesmo aquelas 147 são administradas pelo mesmo grupo básico; as pessoas, homens em sua maioria brancos, que, ao chegar ao topo, assumem o poder e controle através de várias frentes, garantindo assim – por acidente ou planejamento – que o clube seja mantido pequeno e acessível apenas para os que compartilham as mesmas opiniões.

Mike Ashley, por exemplo, um dos oito membros do Conselho da Barclays, o maior dos 147 e o banco responsável pelo escândalo LIBOR, tem cadeira no poderoso Comitê de Auditoria do Tesouro do governo do Reino Unido e é vice-presidente do Grupo Consultivo Relator Financeiro Europeu.

Seu colega de diretoria, Simon Fraser, é um diretor da Fidelity European e Fidelity Japanese Values PLC , presidente de ambas Foreign and Colonial Investment Trust PLC e The Merchants Trust PLC e diretor não-executivo da Ashmore Group PLC.

O setor financeiro não difere em nada. Ao redor da mesa da sala de reuniões na IBM, por exemplo, sentam-se os CEOs da American Express, Dow Chemicals, Boeing, Caterpillar, UPS e Warburg Pincus.

E não é somente praticado na América e Europa: no Conselho da Sony sentam-se os CEOs da Toyota, Mitsubishi, Fuji Xerox e da Berlitz Corporation.

Na verdade, um instantâneo das cinco maiores empresas públicas do mundo (Google, Microsoft, Apple, Exxon-Mobil, Berkshire Hathaway) mostra que 60% dos membros do Conselho são CEOs ou presidentes em exercício ou que já presidiram, na maior parte em outras grandes multinacionais, e cada um é integrante de uma média de quatro Conselhos. Pelo menos, é assim atualmente.

A indústria do petróleo merece menção especial, por três razões. Em primeiro lugar, elas são sete das dez maiores corporações, e estão no topo da lista das entidades econômicas poderosas e influentes. O que elas fazem é importante.

Em segundo lugar, elas são particularmente importantes para o nosso futuro, por razões óbvias.

Em terceiro lugar, elas estão intimamente ligados à crença neoliberal. Aliadas com talvez a indústria bancária e financeira, elas têm muito a perder com um afastamento do neoliberalismo.

E assim elas têm sido responsáveis pela criação, manutenção e em seguida, claro, satisfazendo a demanda por combustíveis fósseis; elas são todas verdadeiramente globais em alcance e poder e estão interligadas com o destino das nações; e têm uma longa história de usar cada truque no livro para assegurar que o status quo seja mantido pelo descrédito de ambos os críticos e da ciência da mudança climática.

Mas vamos agora focar somente na concentração de poder; um estudo de 2013 do Instituto de Responsabilidade Climática no Colorado usou dados históricos para rastrear a origem das emissões de carbono de 1854 até 2010.

Eles descobriram que apenas 90 entidades – privadas ou estatais – foram responsáveis por 63% de todas as emissões mundiais de carbono. Isso pode parecer muito, mas, como o autor do estudo Richard Heede disse em uma entrevista ao The Guardian, “Existem milhares de produtores de petróleo, gás e carvão no mundo.

Mas os tomadores de decisão, os CEOs ou os ministros de carvão e petróleo, se você reduzi-los a uma só pessoa, eles poderiam caber em um ou dois ônibus da Greyhound”.

Adicione outra dupla de ônibus e você provavelmente poderia reunir a liderança de um considerável número das maiores corporações do mundo.

Basta dar uma olhada como a liderança da indústria do petróleo se estende por todo o mundo corporativo. No Conselho da Exxonmobil, por exemplo, estão o Presidente do Conselho da Nestlé, a presidente e CEO da Xerox, a presidente e CEO da Holsman International, Conselheiro, Presidente e CEO da Merck e antigos presidentes dos Conselhos da General Motors, AT & T, Johnson & Johnson e IBM.

Além disso, membros atuais do Conselho da Oracle, Nestlé, L’Oreal, Credit Suisse Group, American Express, The Carlyle Group, Goldman Sachs, JP Morgan Chase, General Motors, Marriot e Walmart.

E, para encerrar, eles também têm relações amigáveis com seus concorrentes. Para dar apenas um exemplo, Edward J Whitacre Jr., que está no Conselho da ExxonMobil também tem assento no Conselho do Instituto Peterson para a Economia Internacional, cujo Vice-Presidente é George David,um diretor da BP.

A ExxonMobil é a segunda maior empresa do mundo, a BP é a quarta. E no Conselho da Exxon estão as pessoas que sancionaram o lançamento de um relatório, no mesmo dia do último relatório do IPCC, que descreveu o perigo claro e presente das alterações climáticas, dizendo “O risco das alterações climáticas é claro e o risco justifica a ação…” e em seguida, meia página depois, “Todas as reservas atuais de hidrocarbonetos da ExonMobil serão necessárias, juntamente com futuros investimentos substanciais da indústria, para atender às necessidades globais de energia”.

Em outras palavras, é definitivamente necessário agir, mas estamos planejando queimar até a última gota de petróleo que pudermos encontrar.

Stephen Katzner, Diretor Executivo da Oil Change Internacional foi ainda mais enérgico: “Se você ainda não teve o prazer de ler esses relatórios, deixe-me oferecer uma versão mais curta: Exxon para o Mundo: Caia Morto.”

E isso são somente as pessoas de negócios; os políticos flutuam na mesma lagoa estagnada.

Uma vez que o teatro de partidos políticos está por trás deles, eles massageiam felizes os ombros dos adversários. Bill Clinton, por exemplo, divide a sala da Diretoria de ambos os US FUND for UNICEF e AT&T com George HW Bush.

O Vice-Presidente de Clinton, Al Gore é conselheiro sênior para a Google e senta-se no Conselho da Apple.

Mesmo aqueles considerados campeões progressistas, como o Presidente Inácio Lula de Silva do Brasil estão no clube. Depois de deixar o posto, Lula tornou-se um consultor pago da maior construtora do Brasil, a Odebrecht, apesar de já enfrentar acusações de ter-lhes dado tratamento preferencial durante a sua presidência.

Menos surpreendente, talvez, seja Tony Blair, que certamente deve ser um dos 0.01% mais ativos. Ele dirige sua própria Faith Foundation, Fundação de Esportes e consultoria de negócios, tem uma carreira lucrativa vendendo suas palestras por mais de 1 milhão de dólares por aparição, tem atuado como consultor pago para a Zurich Insurance Group e atualmente é conselheiro sênior para a JP Morgan Chase, a maior companhia financeira do mundo.

Enquanto isso, seu irmão, William Blair QC (Conselheiro da Rainha) tem lugar no European Securities and Market Authority, que supervisiona os serviços financeiros na União Europeia.

William Blair, preocupantemente, também costumava ser o Presidente do Tribunal de Mercados e Serviços Financeiros do Reino Unido, o órgão que pronunciou-se sobre as decisões tomadas pela extinta UK Financial Services Authority, que foi em grande parte responsável, pelo menos no Reino Unido, em não prever ou impedir a crise financeira de 2008.

A trama é tão apertada quanto a lista é exclusiva e leva à estagnação intelectual, patrocínio tendencioso e centraliza cada vez mais a riqueza e poder.

Tomemos, por exemplo, o fato de que, como a média dos salários nos países desenvolvidos caiu 0,5% desde 2007, o salário de diretores no Índice Standard and Poor’s 500 aumentou 15% e o salário dos CEOs uma média de 33%.

E isto continua perpetuando uma tendência muito longa na América – muitas vezes o canário na mina de tais tendências globais – que tem visto a relação CEO mediano:trabalhador mediano inflar mais de 1000% nas últimas décadas, de 20:1 em 1950 para 204:1 em 2012.

No topo, as coisas perderam quase toda a conexão com a lógica e a razão.

De acordo com a Clasificação GMI da remuneração de CEOs, o mais alto dos executivos apontados foi Gregory Maffei, que, como CEO de não apenas uma, mas duas empresas, foi compensado no montante de US$ 319 milhões em 2012. Isso é 6.380 vezes o quanto o trabalhador americano médio é pago e 17.722 vezes em relação ao trabalhador médio global, quando ajustada a paridade de poder de compra.

Em seguida foi Melvin “Mel” Karmazin, então CEO da Sirius XM Radio que recebeu US$ 255 milhões, um surpreendente aumento de 245% sobre o ano anterior, apesar de sua empresa cair 11% em sua receita em 6 anos. Isso não o impediu de dizer para a revista Forbes, em abril de 2012, “Acho que sou um dos executivos mais mal pagos da história da remuneração executiva”.

Talvez sua ascensão da sarjeta tivera algo a ver com o fato de que o Presidente do Conselho da Sirius XM Radio seja ninguém menos que Gregory Maffei. O maior pagamento anual, no entanto, pelo menos entre os CEOs atuantes, pertence a Mark Zukerburg do Facebook, que embolsou obscenos US$ 2,7 bilhões em 2012.

Nessa altura, a utilidade do dinheiro importa muito menos do que comparações, demonstração de ganância e cobiça pura, que é o que os faz serem tão repulsivos.

E é esta corrupção da idéia de valor individual, baseada nos três princípios do Partido Neoliberal, que causa e depois exige que todos celebremos e aspiremos a tal gula material bruta e desnecessária.

Projetos políticos ativos

Existem muitas iniciativas políticas atualmente em curso para estender o controle e a ideologia das elites neoliberais em todos os aspectos do sistema.

Vou examinar somente três que acredito articularem o quão profunda e generalizada é a tendência maior; as ofertas de comércio conhecidas como a Parceria Trans-Pacífica (TPP) e Parceria de Comércio e Investimento Transatlânticos (TTIP); o processo Metas Sustentável de Desenvolvimento (SDG) pós-2015 das Nações Unidas; e a Nova Aliança para a Segurança Alimentar e nutricional na África do G8 (G8NA).

Agora, os acordos comerciais mais abrangentes da história estão sendo negociados por trás de portas fechadas – fechadas mesmo aos parlamentos ao redor do mundo; abertas apenas a Braços Executivos de governos e seiscentos advogados corporativos – que transferirão importante poder legislativo de facto dos governos nacionais para as corporações.

Um é o TPP, que vai cuidar, como o nome sugere, dos países da Bacia do Pacífico. O outro é o TTIP, que faz o mesmo para os EUA e a Europa. As Américas já estão sendo protegidas, uma cortesia da NAFTA, que se revelou de insignificante a desastrosa para todos, exceto grandes corporações dos Estados Unidos, da qual muitos dos princípios do TPP e TTIP foram copiados. E então turbinados.

Estes pactos lidam com tudo, desde os direitos de propriedade intelectual ao ambiente para regulamentação financeira. Tomemos apenas uma dessas áreas: os assim chamados tribunais arbitrários investidor-estado.

Estes são órgãos de adjudicação que são compostos por três advogados corporativos, são fechados ao público, e sua decisão deve ser final e vinculativa.

No âmbito destes tribunais, corporações multinacionais serão capazes de processar um governo nacional por receitas futuras perdidas se as normas e leis nacionais afetarem negativamente sua capacidade de maximizar os lucros.

Em outras palavras, a capacidade das empresas de aumentar futuramente o lucro e sua vantagem competitiva pode ameaçar a vontade democrática de governos soberanos no presente.

Isso não é fantasioso ou teórico, isso já vem acontecendo há mais de quinze anos.

O primeiro desses casos foi trazido por Metaclad Corp em 1997 usando regras da NAFTA. A Metaclad processou o governo mexicano por negar-lhes permissão para operar um local para eliminação de resíduos.

As autoridades mexicanas agiram depois que um levantamento geológico concluiu que os resíduos poderiam contaminar o abastecimento de água local. O painel investidor-estado decidiu em favor da Metaclad e eles foram agraciados com US$ 16,9 milhões.

O governador local, então, declarou que tal local fazia parte de uma zona ecológica de 600.000 hectares. A Metaclad alegou que isso constituía um ato de expropriação e pediu US$ 90 milhões em compensação.

Esse foi o primeiro caso da NAFTA; têm havido muitos mais desde então. Em outras palavras, estes acordos de comércio dão poder indescritível a advogados corporativos não eleitos para impor enormes sanções financeiras a autoridades democraticamente eleitas caso elas se opuserem à oportunidade de uma empresa aumentar seus lucros.

Este é o dogma neoliberal do “crescimento econômico a qualquer custo” na prática.

Menos agressivo, mas apenas como indicativo da direção do curso é o processo “pós-2015” da ONU. Uma vez que os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) expiram em 2015 (todos inalcançados, exceto a China, onde eles não se aplicam, mas que ainda é contada em números oficiais), eles serão substituídos pelos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (SDGs).

Há uma variedade estonteante de reuniões, cúpulas, consultas e até mesmo ‘movimentos populares’ oficialmente sancionados sendo criados como parte do processo visível para decidir sobre essas coisas.

Mas olhe de perto e você verá que, em contraste com o processo dos ODM, há um grande número de vozes corporativas na mistura, e estão dando a elas prioridade.

Por exemplo, a maior reunião oficial deste ano, o Simpósio Internacional sobre os Objetivos Sustentáveis de Desenvolvimento e a Agenda pós-2015 , ocorrerá na Austrália em novembro.

No poderoso Conselho Consultivo, com quatro membros, nenhum deles é, como seria de se esperar, especialista renomado mundialmente na tarefa incrivelmente complexa do desenvolvimento humano, mas o Dr. Aitur Rahman, diretor do Banco Central de Bangladesh e ex-presidente do banco de Janataa e o Dr. John Hewson, presidente de ambos os Shartu Capital, uma boutique de investimentos e consultoria, e Laurus Energy, juntamente com dois funcionários da iniciativa de parceria corporativa da ONU, o Pacto Global (ver abaixo).

A Laurus Energy baseia-se na força de uma tecnologia patenteada centenária chamada “Gaseificação de Carvão Subterrâneo” que diz produzir energia verde, apesar de usar uma tecnologia altamente controversa e ter um histórico de contaminar fontes de água.

Não só isso, mas o Boletim de Ciências Atômicas vê um problema com o método básico, dizendo que, se as reservas mundiais de carvão foram utilizadas dessa maneira, “os níveis de dióxido de carbono quadruplicaria resultando em um aumento da temperatura média global de 5 a 10 graus Celsius.”

Estas são as pessoas que estão aconselhando sobre o futuro do desenvolvimento global. Poderia ser produzido algum resultado diferente?

Há também a Nova Aliança para a Segurança Alimentar e Nutricional na África do G8 (G8NA). De acordo com a literatura oficial, sua finalidade é “para aumentar o investimento responsável interno e externo na agricultura africana, levar a inovações que possam aumentar a produtividade agrícola em escala e reduzir os riscos suportados pelas comunidades e economias vulneráveis.”

Tudo parece ótimo. Eles ainda têm alvos impressionantes, como “elevar 50 milhões de pessoas e tirá-las da pobreza até 2020”.

De acordo com o Fórum de Política Global, no entanto, “é um processo político projetado para reservar aos atores corporativos um lugar à mesa. Aos negócios não é atribuído apenas um papel específico para a promulgação de programas decididos politicamente, mas torna-se um ator quase igual aos governos “.

Além disso, o GPF defende que “O G8NA serve como um excelente exemplo de uma forma de governo que está ganhando cada vez mais importância em escala global”, eles querem dizer que é a forma de governo público-privado que vimos assumir a ONU.

Como todas essas iniciativas, isso fica camuflado na retórica progressiva e conseguiu assumir a liderança de algumas das maiores ONGs, mas a metodologia central parece e soa suspeita como uma conquista do poder corporativo.

A forma como está estruturada, o G8NA bloqueia governos africanos de fornecer o que chamamos ” ambientes facilitadores de negócios”. Neste contexto, ‘negócio’ não significa o negócio local da Mamãe e Papai tanto como o empresarial.

Então eles estão “refinando políticas para melhorar as oportunidades de investimento”, e, no momento da escrita (deste artigo), 13 países já tinham feito 213 reformas para esse fim.

Estes incluíram proporcionar acesso aos seus mercados para ajudar a Monsanto a vender sementes OGM (organismos geneticamente modificados) e os fertilizantes que, pela sua concepção, protegem tais plantações.

Isso significa reformar as leis da terra para tornar mais fácil para os investidores estrangeiros comprarem grandes pedaços de terra. Sabemos de longa experiência que muitas vezes é exatamente a cobertura para ignorar títulos de terra e relocação de pequenos agricultores e outros povos indígenas.

Já vimos exatamente isso acontecer, sob o manto desse tipo exato de retórica positiva que recobre a G8NA, na Etiópia, Filipinas, Nicarágua, Guatemala, Serra Leoa e muitos outros países.

Às vezes, é o Banco Mundial, usando sua posição de operador de negócios, e nesse caso o responsável é o G8. Em todas as instâncias, é o mesmo modelo esperado, dado que eles estão todos aconselhando uns aos outros.

Como o GPF diz, “o G8NA pode ser entendido como um “suporte” e até mesmo um mecanismo de execução que une esses mecanismos.”

Como de costume, a questão fundamental é: o que as pessoas no controle acreditam ser o melhor para o mundo?

É, sem dúvida, o caso em que as pessoas que compõem o G8NA acreditam nos três principais princípios da filosofia neoliberal.

Eles vêem o negócio como se estivesse, se não necessariamente uma força inteiramente benigna, mas pelo menos uma que devemos acreditar ser benigna, nas mãos certas (ou seja, deles), a ponto de ser uma solução.

E eles podem fazer isso porque não vêem tensão proibitiva entre servir uma ambição impulsionada pelo lucro e dependente dos valores extrínsecos de poder e status, e alcançar a máxima equidade e bem-estar para todos, que contradiz inteiramente os valores intrínsecos, ou seja, universalismo e benevolência.

Para eles, a falta de responsabilidade pública dentro de estruturas corporativas é vastamente secundária para as boas intenções, ou pelo menos é para as pessoas que se sentam lado a lado em mais e mais salas de reuniões.

E todas as provas encontradas pelas ciências cognitivas, as ciências sociais, antropologia, teoria de sistemas, para citar apenas algumas disciplinas, sem mencionar as vozes de inúmeros movimentos sociais e povos oprimidos em todo o mundo, são facilmente ignoráveis, porque elas não se alinham às suas crenças essenciais.

Eles não parecem “senso comum” para alguém que acredita no neoliberalismo. Isto é como a arrogância que derrubou os maias e os romanos se apresenta no século 21.

E isso chegou ao ponto onde a lógica é tão bem aceita em muitos lugares, e os perigos e contradições tão negados ou mal interpretados, que eles podem orgulhosamente e publicamente fazer planos para não menos do que o completo redesenho de toda a governança global, sem desencadear muita repercussão.

Em suas próprias palavras

O único lugar onde os 0,01% e seus parasitas todos rotineiramente se reúnem, em uma visão relativamente clara ao público, é o Fórum Econômico Mundial em Davos todo mês de fevereiro. CEOs, chefes de estado, celebridades, ministros e chefes de ONG, todos se misturam.

Ele não reúne mais a elite como anteriormente, mas ainda atrai jogadores poderosos.

Este agrupamento tem um plano chamado Iniciativa de Redesenho Global, em que eles afirmam que os Estados-Nação já não são “os atores esmagadoramente dominantes no cenário mundial” e que “é chegada a hora de um novo paradigma multisetorial de governança internacional.”

Estas poucas palavras, enterradas dentro de 468 páginas de denso jargão, contêm uma intenção profunda e chocante para substituir a governabilidade democrática, imperfeita que seja, por uma forma híbrida de governo público-privado constituído pelos 0,01%.

É como se os autores tivessem aberto seus olhos em 2012 e presumissem que todo mundo que tem poder merece poder – um dos três princípios centrais da ideologia neoliberal – e a única questão é como tornar isso mais organizado.

Apenas analisando sob essa ótica, eles poderiam escrever tão alegremente que precisamos “redefinir o sistema internacional constituindo um sistema mais amplo e multifacetado de cooperação global no qual instituições jurídicas intergovernamentais são incorporadas como um núcleo, mas não componente único e às vezes não o mais crucial”.

Deixando de lado as sutilezas obrigatórias devidas à sociedade civil, é evidente a partir do restante do documento que ‘multifacetado’ neste contexto é um eufemismo para ‘parte corporativo’.

E as corporações são, por definição, não democráticas. Tudo o que a democracia popular precisa ter, neste admirável mundo novo, é um núcleo teórico. Nem mesmo sendo crucial.

Seus planos incluem uma Organização das Nações Unidas totalmente reconcebida, que não seja alinhada apenas pelo eixo público-privado, e reduzida pelo fato de que algumas questões – e eles citam o exemplo da fome no mundo – seriam completamente excluídas do sistema da ONU, e em vez disso, seriam abordadas por ” coligações dos interessados e capazes, plurilaterais, e frequentemente multisetoriais”.

E , caso você pense que isto era apenas um plano, esteja ciente de que uma iniciativa de parcerias público-privadas de alto nível, chamada O Acordo Global, está em curso, liderada por não menos do que o Secretário-Geral e com a ajuda de um novo Secretário-Geral Adjunto, o primeiro na história a ser nomeado unilateralmente sem a aprovação da Assembléia Geral, e convidado por Bill Gates.

Você pode estar pensando novamente que isto pode ser uma coisa boa – parcerias são boas, vamos todos juntos, os negócios devem ser uma parte da solução, e que todos podem conviver nesta nova ordem mundial é um sinal de maturidade e de progresso.

Dentro dos limites, tudo bem, mas antes que você baixe sua guarda, peço que pense por um momento sobre o termo ‘poder legítimo’.

Os dois princípios políticos mais sagrados os quais nós utilizamos para conter o poder irrestrito, pelo menos nos últimos cem anos, são a democracia e o estado de direito.

O que acontece com a democracia quando líderes democraticamente eleitos são meramente uma voz entre muitas?

O que acontece com o governo ‘para o povo, pelo povo’ quando as decisões são tomadas tanto pelos CEOs como qualquer chefe de estado? Mais importante, como nós desafiamos o poder nesse cenário?

Quanto ao estado de direito, bem, nós já vimos como isso funciona em concurso com o poder econômico: quem pode se esquecer do fato de que as instituições que causaram a crise financeira são quase todas maiores agora do que quando foram consideradas grandes demais para falir e tiveram que ser socorridas, e nem uma única pessoa foi responsabilizada, muito menos presa, pelo caos e miséria ainda sentidos.

Isto são negócios como de costume para mega-corporações. Crimes financeiros são frequentes, mas não pára por aí.

A Royal Dutch Shell foi oficialmente inocentada por 40 anos de contaminação no Delta do Níger, para horror de todos, desde os agricultores locais até a Anistia Internacional.

A DuPont foi multada em apenas US $ 16,5 milhões por encobrir durante duas décadas os estudos da empresa que mostravam que estava poluindo a água potável com um produto químico indestrutível que causa câncer e defeitos congênitos.

Haliburton, Ford, Roche, KPMG, Nestlé, Enron, Nike, Syngenta, Clear Channel Communications, Blackwater Internacional, General Electric, Barclays, HSBC, Exxon Mobil, BP , Hyundai, Pfizer, Korean Airlines, Coors , todas as grandes empresas de tabaco… a lista de exemplos que nós temos sobre quando as mega-corporações subvertem ou agem fora da lei é infinita.

Além do que poderíamos considerar como algumas maçãs podres, ou até mesmo culpar somente uma corporação individual por uma ocorrência individual.

O argumento de que “se não tivéssemos feito, outra pessoa faria” pode ser perversamente válido.

A única explicação razoável é que algo maior do que todos eles, o propósito que eles servem – maximizar o lucro e crescimento – cria um ambiente tão inteiramente definido pela concorrência que eles são praticamente obrigados a testar continuamente os limites para manter sua vantagem.

No mundo real, isso significa recorrer à ilegalidade como coisa natural. Você poderia dizer que isso é um sintoma crônico comum e inevitável de suas decisões coletivas.

Ademais, na América, onde se encontra a maioria das mega-corporações, eles gozam dos direitos legais de personalidade.

Isto dá-lhes o acesso às leis de dupla incriminação e uma longa lista de jurisprudência que remonta a 1819 que os protege contra regulamentação sob as Primeira, Quarta e Quinta Emendas, bem como contra o avô de todos eles, a Décima Quarta Emenda – mas as exime da culpabilidade.

Até hoje, eles ainda são livres para manter sua visão religiosa e negar a seus empregados benefícios de saúde que lhes desagradam.

A ironia é verdadeiramente dolorosa: os proprietários de uma empresa são protegidos de acusação de falência financeira ou outras atividades consideradas crimes se cometidas por uma pessoa de carne e osso, mas podem sair ilesos e lançar mão da influência financeira e jurídica da entidade corporativa para impor suas opiniões muito humanas sobre seus funcionários e sobre a comunidade, da mesma forma que pessoas planejam uma família.

Como um enérgico juiz dos EUA colocaria, “A Justiça está aberta a todos da mesma forma como o Hotel Ritz”.

Notavelmente, a América é considerada um exemplo de responsabilidade corporativa, porque até 2011 – ou seja, em 238 anos – o sistema jurídico dos Estados Unidos havia julgado e condenado um total de 275 casos.

De acordo com o Yale Law Journal, “De uma perspectiva comparativa, tal culpabilidade é relativamente exclusiva dos EUA [sic]. Outros poucos países ocidentais impõem a responsabilidade da entidade e aqueles que o fazem instituem consequências punitivas muito menos graves e com menor freqüência.

Em países como a França e Alemanha, por exemplo, o princípio da societas delinquere non potest— “uma pessoa jurídica não pode ser censurável” — por muito tempo impediu a imposição de responsabilidade penal às entidades.

Mais recentemente, a França e vários outros países europeus experimentaram cautelosamente a responsabilidade penal empresarial. A Alemanha recusa-se a punir criminalmente corporações pelos atos individuais de seus administradores ou empregados.”

Na América, é claro, o tempo de experiência dos 0,01% pode ter acabado; as coisas estão definitivamente pesando a seu favor, desde que o caso de Citizens United lhes deu o direito de pulverizar quantidades ilimitadas de dinheiro para influenciar a política – que percorre um longo caminho para explicar por que quase US$ 20 bilhões foram gastos na eleição presidencial de 2012 – e a decisão de 2014 pelo Supremo Tribunal Federal em McCutcheon contra a Comissão Eleitoral Federal que permitiu a agregação de doações pessoais para candidatos políticos.

É dito em voz alta e com orgulho por pessoas sérias, incluindo a maioria do Supremo Tribunal, que dinheiro é igual à liberdade de expressão, e, portanto, aqueles com mais dinheiro podem se expressar mais.

Os 0,01%, portanto, podem falar mais alto que todos.

Também considere o fato de que quando se trata de contribuir para as sociedades da qual extraem lucro, mega-corporações estão agora tão no controle que eles praticamente podem escrever sua própria lei de imposto de pessoa jurídica, como evidenciado pelo fato de que um quarto da Fortune 500 não pagou nenhum imposto de pessoa jurídica nos EUA em 2011, contra uma taxa oficial de 35%.

Trinta deles, incluindo gigantes como a General Electric, Boeing, Verizon, Wells Fargo e DuPont, na verdade, tinham uma conta de imposto negativo.

A GE, por exemplo, recebeu US$ 4,7 bilhões do contribuinte enquanto registrou um lucro de US $10 bilhões.

No Reino Unido, entretanto, uma em quatro das maiores empresas não pagou nenhum imposto em 2012, incluindo Rolls Royce, Vodaphone, Tate and Lyle e British American Tobacco.

E isso somente no Ocidente.

Tributação justa é um jogo com dois lados: os 0,01% e as mega-corporações contra os pequenos negócios e o contribuinte comum, com as regras cada vez mais manipuladas em favor dos primeiros, como é próprio da filosofia neoliberal.

É utilizada uma crescente teia de mais de oitenta paraísos fiscais, que em 1999 era de quarenta.

Essas jurisdições sigilosas mantêm um terço de toda a riqueza privada – pelo menos US$ 26 trilhões – fora do alcance fiscal e garantem que sejam “socialmente inúteis”, pegando emprestada uma frase do Lord Turner, o ex-presidente da Autoridade de Serviços Financeiros do Reino Unido, que descreve os negócios da cidade de Londres, a capital mundial do paraíso fiscal de facto.

Isso inclui, usando apenas estimativas conservadoras, US$ 1 trilhão extraviados dos contribuintes dos países em desenvolvimento a cada ano, incluindo US$ 191 bilhões da Rússia e US$ 158 bilhões da China.

Não se deixe enganar por qualquer coisa que os governos dizem sobre isto; para cada pedaço aparentemente suculento repartido com o povo exausto, é presidido um acordo de portas fechadas para reforçar e difundir a prática do roubo fiscal.

Na última década, os fluxos de capitais ilícitos têm crescido, em média, surpreendentes 10% ao ano, ultrapassando até mesmo o crescimento do PIB chinês.

Então, quando líderes como David Cameron fazem declarações imponentes que angariam os louvores de algumas das maiores instituições de caridade do mundo por supostamente combater paraísos fiscais, como quando chegou sua vez de presidir o G8, no ano passado, devemos sempre olhar para trás, porque inevitavelmente veremos, como visto em 2013, ministros das Finanças como George Osborne trabalhando com afinco no apoio e fortalecimento do sistema, relaxando as leis em torno do cumprimento das obrigações fiscais das empresas e, no caso de Osborne, sendo responsável por um aumento de US $ 1 bilhão em evasão fiscal no Reino Unido como parte de um projeto muito maior para transformar o Reino Unido em “um paraíso fiscal para as multinacionais”.

Tudo a serviço da crença neoliberal de vantagem competitiva egoísta e crescimento econômico perpétuo.

E mesmo que a democracia e o estado de direito pudessem sobreviver no ar rarefeito dos 0,01%, e pudéssemos eleger ou trazer de volta CEOs, condenar os Diretores culpados ou fechar a mais culpada das corporações, estaríamos ainda arruinados, visto que atualmente há apenas um partido para escolher seus substitutos: o Partido Neoliberal.

Não há nenhuma oposição significativa.

Não há nenhuma pluralidade de idéias, sem discussões nos grandes fóruns de debate público.

Ninguém nos níveis superiores está seriamente questionando a luxúria míope para crescimento perpétuo, proporcionando uma liderança quebradora de paradigmas sobre a mudança climática ou tomando uma posição significativa contra a aceitabilidade da ganância, porque o sistema (veja abaixo) não recompensará, nem sequer permitirá, tal inovação.

E, enfim, todo mundo nesse nível subscreve à crença neoliberal, que continua a se espalhar. É assim que eles chegaram lá.

O que cada uma dessas óticas mostra é que a riqueza e poder funcionam para aqueles com riqueza e poder e, os maiores dos 0,01% estão promovendo uma ideologia econômica e política única.

Você pode falar que “as coisas nunca mudam”; o capital privado, pelo menos desde que a Revolução Industrial iniciou, quase sempre excedeu o capital público e os ricos têm sempre manipulado as coisas para cuidarem de si mesmos.

Isso pode estar correto na realidade, mas como um argumento contra a mudança radical, ele falha em três pontos.

Em primeiro lugar, e no âmago dessa questão, está o fato de que o poder agora é operado globalmente, considerando que até relativamente recentemente era predominantemente uma preocupação nacional.

Exceções como a East India Company (EIC), que oficialmente comandou parte do Império britânico entre os séculos 17 e 19, são apenas isso, exceções.

Mas se você gostaria de analisar isso a fundo, a EIC, e sua equivalente holandesa, foram exemplos de governos privados para e pelos ricos, que incluiram comércio de escravos, exércitos privados e Alvarás Reais.

Precisamente o tipo de coisas que a democracia supostamente deu fim. Então, o que torna as coisas diferentes agora é que o domínio dessa ideologia ao longo de toda a humanidade está quase completo.

Em segundo lugar, em um nível técnico, nós temos a capacidade de fazer muito melhor. Nós há muito passamos o ponto onde a única coisa impedindo uma sociedade mais igualitária, justa e sustentável, onde mais pessoas possam florescer, é a vontade de construí-la.

E em terceiro lugar, e o mais importante, a menos que nós acreditemos que haja uma inevitabilidade natural e justiça no estado atual em questão – que é, essencialmente, o que as três crenças neoliberais induzem – esse argumento é simplesmente derrotista.

As pessoas também sempre morreram de câncer e usamos isso como uma razão para nos esforçarmos ainda mais para encontrarmos a cura, não aceitar a doença.

Vivemos em um mundo onde as 85 pessoas mais ricas têm a mesma riqueza que os 3,5 bilhões mais pobres, um fato que a Revista Time chamou, “Uma estatística para destruir sua fé na humanidade”.

Se esses 3,5 bilhões tivessem os meios para sobreviver e viver vidas plenas de oportunidades e de liberdade, e se pudéssemos deixar de lado todas as provas sobre quão corrosiva a desigualdade é para a coesão social básica (veja abaixo), não haveria nenhum problema a ser consertado.

Mas esses 3,5 bilhões de pessoas tendem a viver vidas caracterizadas pela privação.

Eles têm acesso limitado, se houver, à educação e aos cuidados de saúde, o que significa que suas opções – suas liberdades – são severamente limitadas.

Enquanto isso, os 85 têm riqueza além de toda a necessidade e utilidade, e vêem o incrível poder colocado em suas mãos, não apenas como um artifício que têm o direito moral de exercer, mas como algo que eles talvez devam seguramente exercer.

Para descobrir um outro modelo de riqueza e poder, você deve olhar para as extremamente raras exceções, como o Presidente José Mujica do Uruguai, que evita as armadilhas usuais do poder e que exerce, e exemplifica, uma vida materialmente modesta a serviço dos outros.

Seu governo rejeitou as políticas neoliberais do Banco Mundial e do FMI que, para ouvir os ministros de governo, recuaram de seu papel habitual de ditadores da política econômica neoliberal, quando o governo do Mujica chegou ao poder em 2004, tendo aceitado o fracasso de suas políticas após a economia ter caído em 2002.

Desde então, o governo de Mujica reduziu a pobreza de 32% para 12% em 9 anos; aumentou o acesso à água de 81% a 95%; tem elevado o rendimento nacional per capita anualmente; e criou um serviço nacional de cooperativas para promover diferentes modelos econômicos.

Ele pessoalmente doa 90% de sua renda para caridade, recusa-se a viver no Palácio Presidencial e dirige um velho fusca.

Mas não há nenhum Mujica para se escolher no topo ou perto do topo da pirâmide neoliberal. Eles nunca poderiam chegar lá.

Além disso, não há nenhuma responsabilidade. Não só para nós, as massas cansadas e famintas, mas em qualquer outro sentido.

Não há nada acima dos 0,01%; Não há leis ou organizações internacionais para fiscalizá-los e muito pouca regulamentação para controlar sua capacidade de extrair riquezas do ambiente e das pessoas e enfiá-las em seus próprios bolsos.

Se um país tem leis que os obriga a contribuir para a sociedade da qual eles lucraram, eles simplesmente movem seus lucros para países que não os força a tal.

Se as instituições democráticas decidirem que seus negócios são demasiadamente prejudiciais ao meio ambiente, ou que querem que seus trabalhadores sigam as normas da OIT, eles podem processar o governo por submissão.

No cerne disso está o fato de que as finanças e negócios foram globalizados, mas política popular não.

Outra forma de dizer isso é que a crença Neoliberal baseada na concorrência, lucro acima de tudo, que guia os negócios ascendeu para dominar quase todos os fóruns globais, enquanto as idéias de justiça e equidade mantidas vivas através de democracia popular e política, terem ficado presas, cada vez mais incapazes de sobreviver.

Desta forma, a crença Neoliberal passou a definir a finalidade humana e progresso e estruturas de poder foram realinhadas para servir esta nova enfraquecida definição.

O melhor que podemos esperar é que os neoliberais descubram um poderoso impulso de colocar os limites sistêmicos que tanto gostam; seu próprio poder, riqueza e controle.

Certamente, a idéia de autorregulação é o que parecem estar mais dispostos à aprovação. Levante a mão quem confia neles para fazer isso?

A lógica dentro

A real surpresa de tudo isso é que, no mais profundo e importante nível, ninguém planejou e ninguém é culpado.

Isto não é uma batalha binária e gratificante entre o bem e o mal.

É quase certamente falso e é definitivamente inútil e intelectualmente preguiçoso sugerir que os 0,01% são pessoas más.

Sim, estou dizendo que o grupo de Davos tem este plano elaborado, e eu prontamente posso listar poderosos agentes do alto escalão, mas eu, no entanto, não acredito que eles são inteiramente responsáveis.

Coletivamente, os 0,01% podem não estar fazendo nada de significativo para mudar e praticamente tudo o que eles podem para lucrar com isso, mas não é o mesmo que serem eles os arquitetos.

Não se pode dizer que seja totalmente intencional a forma com que perpetuam isso.

Simplificando muito, o que já existia antes de qualquer um dos muitos que hoje estão no poder fomentou as condições para que as pessoas com seus recursos e características (sejam eles intelectuais, educacionais, físicos e/ou financeiros) pudessem prosperar.

Sem as causas e as condições, a prosperidade não pode acontecer; com elas no lugar, aqueles que naturalmente se alinham com os motivos e meios do sistema irão inevitavelmente subir ao topo e, portanto, perpetuar isso.

E isso remonta através do tempo.

O que estamos realmente vendo é uma etapa na evolução de um sistema adaptativo complexo.

As forças inerentes dentro dela são ordens de magnitude mais poderosa do que qualquer grupo, empresa ou estado.

A configuração atual é em grande parte o resultado da tomada de decisão humana, com certeza, mas para experimentar e escolher as decisões separadamente e atribuir culpa a qualquer agrupamento único é compreender mal a natureza de sistemas complexos.

O máximo que o 0,01% pode fazer é cavalgar as ondas, anular ou desviar quaisquer mutações de resistência significativas e talvez, ocasionalmente, interferir na direção da evolução por um ou dois graus.

Para alguém verdadeiramente agitar as coisas, é preciso alterar a lógica do próprio sistema.

Eles precisariam mudar seu padrão, o que os teóricos de sistemas chamam seu atrator, que incluiria mudar os incentivos e estímulos que os direciona.

Os teóricos de sistemas e da complexidade falam sobre “pontos de bifurcação”, um ponto de instabilidade em que o sistema pode mudar abruptamente e novas formas de ordem aparecem de repente.

Isto é o que nós precisamos estar procurando e lutando. O que leva a um rápido alerta de cautela sobre abordagens tradicionais para a “política”.

Temos um paradigma forte e dominante sobre o que seja uma boa análise política, e o que pode levá-la a uma mudança.

Escolha e pesquise sobre um partido político, consultoria ou ONG e você verá uma lista de recomendações para mudanças de políticas públicas ou legislativas que querem ver implementadas.

Ela será, em quase todos os casos, composta por um conjunto de dados, uma análise de “senso comum” do ambiente, e o que parece um conjunto razoável de medidas práticas.

Estes podem ser perfeitamente lógicos, quando considerados isoladamente, mas eles tendem a emergir de pessoas que foram treinadas para ver o mundo – como todos nós – como uma máquina cartesiana, em que a mudança é linear e uma coisa decorre inevitavelmente e previsivelmente da anterior, em vez de pessoas treinadas para vê-lo como um sistema – ou seja, com padrões de respostas não-lineares, atratores, princípios de auto-organização e a vida.

Porque ainda é uma ciência nova (as primeiras teorias foram postuladas no início do século 20, mas realmente só começaram a ser estudadas em círculos científicos sérios na década de 1970), muito poucas das poderosas lições do pensamento sistêmico chegaram aos lugares onde a política pública é estudada e menos ainda aos corredores do poder.

Mas devemos reconhecê-la e aprender com ela, do que esperar que ela se infiltre gradualmente nas paredes ao nosso redor. O potencial que poderia ser desencadeado se o fizermos é verdadeiramente surpreendente.

Em resumo: A palavra sistema deriva do grego syn + histani que significa, literalmente, ‘para colocar juntos’.

Como Fritjof Capra e Pier Luigi Luisi dizem em seu livro notável, A Visão de Vida dos Sistemas, “o pensamento sobre sistemas não se concentra em blocos de construção básicos, mas nos princípios básicos de organização.

Pensar sobre sistemas é ‘contextual’, que é o oposto do pensamento analítico.

Análise significa desmontar algo a fim de compreendê-lo; pensamento sobre sistemas significa colocá-lo no contexto do todo maior”.

Isso às vezes é considerado como apenas mais uma perspectiva científica, mas isso é uma ironia profunda, quase engraçada.

É mais preciso analisar pensamento sobre sistemas como um paradigma, ou uma maneira de pensar, ao invés de uma disciplina científica, e contrastá-lo com outros paradigmas, mais notavelmente paradigmas cartesianos e newtonianos ‘mecanicistas’ ou ‘redutivos’.

O segundo vê o mundo como uma máquina com hierarquias rígidas e peças individuais e desmontáveis – como na famosa metáfora do relógio de Descartes, onde ele se estendeu para descrever o corpo humano como ‘uma máquina de barro’ – considerando que o pensamento sobre sistemas vê redes, padrões e conexões.

É a teoria quântica e as probabilidades de Einstein para a física de Newton com uma certeza absoluta e matemática.

E assustador como pode parecer no início, na verdade, não é. É a essência de encontrar ordem significativa e compreensível – se não totalmente previsível – no caos, e verdade na complexidade.

Pode ser um pouco difícil mudar seu pensamento para este novo paradigma se estiver fortemente preso ao modo analítico tradicional, mas não é mais desafiador, em última análise, do que qualquer outra área de estudo básico e as recompensas mais do que valem a pena.

Há muitas boas idéias emergentes para estudar, a medida que mais e mais pessoas se movem para este espaço.

Existem alguns grandes livros, desde Pensando em Sistemas, de Donatella Meadows, Sincronizar, por Steven Strogatz, até o recém-lançado e maravilhosamente rico e abrangente A Visão de Vida dos Sistemas por Capra e Luisi.

O pensamento sobre sistemas também abre caminhos para conectar o material com o espiritual, que é um dom que só agora começamos a utilizar. Mas isso é outro panfleto.

Existem organizações para buscar, do Santa Fe Institute, o Earth Policy Institute, as Redes do Terceiro Mundo ao Instituto Tellus, com sua poderosa Grande Iniciativa de Transição.

Infelizmente, isso tudo ameaça especialistas excepcionalmente bem intencionados, muitos bem credenciados e poderosamente posicionados, porque parece, à primeira vista, desafiar seus conhecimentos e reduzir assim a sua utilidade e supremacia.

Apelar para o pensamento sobre sistemas pode desencadear uma ação defensiva.

É simplesmente uma maneira mais ampla e mais sofisticada de olhar para a organização das coisas e encontrar os padrões importantes.

Cada um, a longo prazo, tem o seu lugar – precisamos da costureira tanto quanto nós precisamos do estilista – mas agora, na maioria dos teatros de mudança social, estamos quase completamente focados em um e ignorantes do outro.

Até que possamos reequilibrar a favor do pensamento sobre sistemas, iremos tropeçar, quase cegos, e teremos pouca idéia se estaremos realmente fazendo o bem permanente, temporário e isolado, ou mais mal que bem.

Como afirmado anteriormente, a estrada para o inferno é pavimentada com boas intenções de pessoas que não entendem como sistemas complexos funcionam.

Ao procurar as melhores mudanças práticas a serem adotadas, precisamos primeiramente abraçar o pensamento sistêmico, ou pelo menos escutar atentamente aqueles que já o fizeram.

O tipo de pergunta inicial que nos guia deve ser, ‘onde e/ou o que é o ponto de bifurcação que estamos procurando?’ em vez de, por exemplo, ‘quanto vai custar para proporcionar melhores cuidados de saúde?’

Isto é o que é necessário para ajudar a direcionar nossas energias da maneira mais eficiente e eficaz para desencadear a profunda mudança necessária. Precisamos estudar e trabalhar com a energia dinâmica do sistema, e não ir de encontro a ela.

Tudo isso pode ser feito. Mesmo a idéia mais escandalosamente grandiosa, como a reordenação de nossos valores sociais diminuindo a competição, é concebível, se nós abraçarmos o conhecimento certo.

E, muito importante, não irá contra a nossa natureza, como muitos tradicionalistas e dissimulados reflexivamente gostam de dizer; Isso é realinhar-nos com nossa verdadeira natureza.

Há muitas evidências da antropologia, psicologia e ciências cognitivas de que a humanidade tem amplo potencial para prosperar em sociedades muito menos competitivamente ordenadas.

Com efeito, sem mergulhar muito profundamente nas provas antropológicas, é evidente que, para a grande maioria da nossa história, os seres humanos têm ordenado as sociedades em princípios igualitários.

Ninguém, muito menos eu, está sugerindo voltarmos a ser caçadores e coletores – uma ideia absurda – mas se o que nós precisamos é evidenciar que a empatia e equidade podem tornar-se realidade se estes sobrepuserem à ganância e competição de forma muito melhor e mais justa, temos noventa mil anos de ordenação social para nos dar inspiração e esperança.

Como isso vai parecer exatamente no século 21, num mundo globalizado e interdependente de 9 bilhões de pessoas, é uma questão intrigante que precisará da engenhosidade e da coragem de muito mais pessoas do que eu.

Mas nada além da lógica derrotista dos preguiçosos, cínicos, gananciosos ou cronicamente sem imaginação me parece ser a base do idealismo sem fundamento.

Mas será necessária uma inflamação generalizada da imaginação popular para exigir uma mudança profunda na forma como estruturas de poder reconhecem, definem e valorizam à vida.

Eles foram dobrados tão duramente, por tanto tempo, a prezar apenas valor econômico e poder competitivo que iremos, de fato, precisar reescrever seus protocolos operacionais, para que eles vejam suas finalidades de forma diferente.

Chamadas para a reforma de partes do sistema, como a de Thomas Pikkety para um imposto de riqueza global, são atraentes em teoria, mas para que qualquer boa política individual se estabeleça, alguns dos elementos mais básicos da cultura global terão de ser totalmente recriados.

Talvez um imposto de riqueza global seja um veículo eficiente para isso, mas em seu livro não há percepção de que ele chegou a essa conclusão através do estudo das forças dinâmicas globais do sistema.

O que parece certo, porém, é que o todo-poderoso deus de duas cabeças do lucro e crescimento econômico terá de ser relegado a importância secundária, em favor de medidas de progresso de natureza totalmente diferentes, mais humanas, holísticas.

A besta bizantina do PIB deve sofrer uma morte ignóbil. Embora não posso dizer que mudar isto constituiria um ponto de bifurcação, isso pareceria um componente essencial de qualquer mudança duradoura.

Da mesma forma, também temos de olhar para o dinheiro.

A menos que, como uma expressão dos nossos valores, instituições democraticamente responsáveis tomassem de volta dos bancos privados o encargo de criar dinheiro – se você não sabia, são atualmente bancos privados, não casas da moeda governamentais, os responsáveis pela criação de 97% do dinheiro no sistema, como o Banco da Inglaterra recentemente passou por alguns problemas para explicar – e reassumirem o controle da fonte de dinheiro.

Esta é uma ideia que rapidamente está encontrando apoio convencional, inclusive nas páginas sagradas do The Financial Times.

Então, exposto como o atual sistema financeiro agora é construído inteiramente sobre dívida aos bancos privados e em casos extremos essa dívida está sendo usada para drenar o espírito político de populações, como é o caso dos estudantes americanos que ficam sobrecarregados com tanta dívida antes mesmo de suas carreiras iniciarem, que a inclinação para fazer nada além de encontrar o melhor emprego e manterem suas cabeças baixas é imposta pela necessidade de alimentar o macaco insaciável da dívida em suas costas – uma dívida que, escandalosamente, é exclusivamente isenta das leis de falência – precisamos transformar de volta o dinheiro na unidade de valor positivo intrínseco, em vez da expressão livre da dívida e obrigação, caso contrário não teremos lidado verdadeiramente com nada disso.

O tamanho das corporações, e também dos governos, deve também ser colocado em questão.

Um princípio simples – embora não fácil de implementar – seria que nenhuma empresa privada tenha mais de 10-15% de um mercado ou exceda uma determinada percentagem do PIB médio da economia mundial (PIB, sendo apenas uma medida entre muitas a serem usadas, mas uma maneira prática de descrever o princípio aqui).

Dessa forma, a ordenação de poder permaneceria fechada, com instituições democráticas para sempre no topo da pirâmide.

Os governos são ainda mais preocupantes, e caso o tamanho do controle governamental exceda um determinado tamanho populacional, haverá um permanente e poderoso arraste em direção à desigualdade e à opressão das minorias.

Este é um ponto difícil para muitos à esquerda do volante, porque acreditamos tão fortemente na igualdade que comparamos todos ao mesmo padrão, que arrasta todos os sistemas, incluindo a governança, na direção das singulares entidades gigantescas.

Nós temos sido encurralados em um canto onde devemos defender o papel do governo no fornecimento das necessidades da sua população, não importando o seu tamanho.

Isto significa que, por tempo demais, qualquer debate maduro sobre qual deve ser o tamanho ideal para um governo liderar uma população tem sido excluído do contexto convencional, salvo para um pequeno número de países que “surfam” uma onda nacionalista como a Escócia.

Mas uma aceitação incontestável de que maior é melhor é profundamente imprudente, apenas porque quanto maior a concentração de poder, maior a chance de corrupção sistêmica e conseqüências não intencionais.

Nós há muito tempo passamos o ponto onde o poder dos 0,01% poderia verdadeiramente mapear ou entender as ramificações de suas ações, e olhe onde é que isso nos levou.

Enfrentando a nós mesmos

O mais importante, porém, é que deve haver algo como um acerto de contas filosófico e espiritual.

A força destrutiva do nosso poder é tal que estamos agora criando problemas em escala planetária e a nível da espécie humana.

Mudança climática é o mais urgente e aquela onde a loucura total da crença neoliberal é mostrada mais claramente.

Só precisamos de um fato para saber o quanto estamos falhando: desde que os líderes mundiais discutiram sobre as alterações climáticas na Conferência Global do Rio, em 1990, a quantidade de CO2 que liberamos na atmosfera a cada ano teve aumento de 61%.

Apesar de todas as reuniões e conferências, os avanços tecnológicos, a pesquisa, o tratado de Kioto, as iniciativas de responsabilidade social corporativa, a retórica geral e as manchetes, não apenas não reduzimos as chances de uma mudança climática catastrófica, como temos acelerado o passo em direção à borda do penhasco, como lemingues.

Que outras evidências realmente precisamos de que o Partido Único que temos é profundamente e desastrosamente inapto para governar?

Mas a mudança climática não é a única ameaça.

Com a riqueza tecnológica, militar e financeira concentrada em um pequeno número de mãos, as chances de eventos catastróficos que poderiam afetar todas as espécies estão maiores do que nunca.

E estes são apenas os eventos potenciais de início súbito.

A podridão psicológica se espalhando por países desenvolvidos é demasiadamente evidente e é cada vez mais vista nos países em desenvolvimento à medida que eles se tornam cada vez mais alinhados com normas neoliberais.

O psicólogo britânico Oliver James cunhou o termo Affluenza em seu livro de 2007, de mesmo título, e outros reafirmaram esse conceito com estudos mais aprofundados.

Simplificando muito, a sociedade moderna ocidental, afluente, individualista, desigual nos faz psicologicamente doentes.

A psicóloga desenvolvimental Niobe Way, da Universidade de Nova York, através de sua pesquisa sobre como criamos meninos, chama o que está acontecendo, particularmente na América, como um ‘crise de conexão’.

A mais completa evidência global vem do estudo da desigualdade de riqueza interna e internacional: O Nível de Bolha, de 2009, de Kate Pickett e de Richard Wilkinson.

Escolha um indicador de bem-estar social e a desigualdade o faz piorar.

Maiores taxas de homicídio, gravidez na adolescência, níveis de encarceramento, obesidade e mortalidade infantis e baixa escolaridade, estão correlacionados com desigualdade crescente.

Estudos desde a publicação do livro têm reforçado tudo o que disse e acrescentado alguns impactos para uma boa análise: desigualdade crescente também alimenta o consumismo, aumenta a dívida pessoal e ainda aumenta os níveis de narcisismo (ou seja, o individualismo valorizado pela crença Neoliberal, sob esteróides).

Em outras palavras, uma sociedade desigual é uma sociedade doente. O neoliberalismo cria sociedades desiguais; em sua construção atual evidentemente não pode fazer mais nada.

Na maioria dos países, nós tendemos a hesitar em usar linguagem que possa ser considerada espiritual no debate político público, ou confundir com uma forma exclusiva de religião, e que nos custaria caro.

Porque estes não são desafios que podem ser corrigidos apenas com respostas técnicas ou políticas; eles falam da nossa natureza, nosso propósito e nosso potencial como seres humanos.

Na maior parte da nossa história, não estamos em dívida com as idéias de crescimento perpétuo de material.

As idéias no coração do nosso atual sistema se originaram com Adam Smith e David Hume no início da Revolução Industrial.

Já ultrapassados pela ciência, e eles sempre têm sido descreditados, para dizer o mínimo, pelas tradições espirituais e filosóficas.

Um fato muitas vezes camuflado é que o próprio Adam Smith pôs-se em sofrimento, na Teoria dos Sentimentos Morais, para explicar como a inclinação natural da humanidade ao interesse pessoal deve ser temperada pela sociedade.

Estou bastante certo ao dizer que ele estaria extremamente desfavorável em uma economia política global, como a nossa, que prega o interesse próprio em cada outdoor e anúncio de TV, cada sala de reuniões, mesa de gabinete e gabinete presidencial.

Até mesmo Adam Smith, no entanto, empalidece ao lado do requintado coro de vozes que foram por muito tempo relegados à margem.

Estou falando de verdadeiros gigantes da filosofia, espiritualidade e moralidade; pessoas que deram voz completa à nossa humanidade. Desde Confúcio, Lao-Tze, Sócrates, Buda Shakyamuni, Marcus Aurelius, Jesus Cristo, o profeta Maomé até os guias de nosso próprio tempo, Mary Woolstonecraft, Mary Seacole, Eleanor Roosevelt, Mahatma Gandhi, Nelson Mandela e mesmo a jovem Malala.

Todos ensinam o oposto da crença neoliberal de permanente concorrência, de valorizar a vida pela riqueza financeira de uma pessoa e do protecionismo isolado.

Todos eles ensinaram a humildade acima do orgulho, compaixão acima de interesses pessoais e relacionamentos baseados na empatia, não na competição.

Ensinaram que estas são as qualidades mais verdadeiras da humanidade, as que devemos trabalhar mais duramente para desenvolver, porque estas são a chave não só para a felicidade individual, mas também para a harmonia social.

Não metaforicamente, não retoricamente, não só em sextas-feiras ou domingos, em casamentos e funerais, e o mais importante, não de modo limitado ou exclusivo, mas verdadeiramente.

Comparada a esta simples sabedoria, o neoliberalismo é exposto como a mutação anêmica e feia que é.

Ignore o fato de que a Crença Neoliberal tem drenado as idéias de amor, empatia e compaixão, deixado suas migalhas enroladas em embrulhos de celofane para serem oferecidas como se fossem qualquer outro produto a ser comprado e vendido ou ridicularizado como ingênuo ou sentimental; essas coisas não são para o escritório, e muito menos para a sala de reuniões.

Ignore todas as provas psicológicas que mostram que valores intrínsecos são na verdade mais poderosos, mais sustentáveis, mais recompensadores do que aqueles que nos levam a perseguir o dinheiro, poder e status.

Ignore toda a literatura que mostra como nascemos mais compreensivos do que como agora nos vemos, e apesar do apelo interminável da publicidade e as demandas por mais, continua a ser – sobrevive – um dos nossos valores mais potentes e agradáveis.

Ignore, até mesmo, o estilo perverso na moderna política que tem visto ‘conservadores’ por todo o mundo serem tão consumidos pela ideologia Neoliberal, que eles foram convencidos a virar as costas para a conservação mais profunda de todas: a conservação do nossa planeta.

Em vez disso, ignore tudo isso e escute, por um momento, para o que Gandhi chamou de sua ‘serena, pequena voz da consciência’.

Isso pode ser zombado e ignorado pelos titãs do neoliberalismo, mas é o mais verdadeiro, mais claro e mais poderoso ponto de referência que você tem.

O que isso tem a dizer sobre tudo o que você é (que todos nós somos), se entendendido como o partido Neoliberal vê com suas três crenças, todo nosso progresso seria direcionado e descrito como uma necessidade de maior produto interno bruto?

Como podemos todos nós juntos, com nossas contradições e desejos, nossas almas e nossas mentes, possivelmente ser bem representados por uma única e insaciável busca por maior crescimento material?

Quão saudáveis podemos ser se nossos ambientes são moldados a servir a esse objetivo vil? E é assim que a coisa funciona hoje em dia. Cada chefe de Estado, cada CEO está em busca permanente de crescimento do lucro e do PIB.

É uma traição, a maior, à nossa humanidade comum.

As mudanças que eu estou apontando têm sido imaginadas muitas vezes na cultura popular: a mais popular de todas sendo Jornada nas Estrelas, em que o Capitão Kirk diz coisas como, “a aquisição de riqueza já não é a força motriz de nossas vidas. Trabalhamos para melhorar a nós mesmos e o resto da humanidade.”

Infelizmente, isso é fantasia e fantástico demais para se desejar, enquanto a hegemonia atual existir.

Não, é infelizmente aparente que, na ausência do tipo de mudanças tectônicas descritas acima, o partido Neoliberal global vai continuar consolidando seu controle sobre o poder e em silêncio, adormecendo os princípios da democracia.

Adeus e obrigado por todo o dinheiro! O que você faria se tivesse acesso a todos os espólios terrenos que você possa imaginar e as regras fossem manipuladas a seu favor?
Nada próximo dos negócios como de costume pode mudar as coisas.

Na verdade, como Thomas Pikkety argumenta tão meticulosamente em Capital no Século 21, negócios como de costume estão levando-nos a um período prolongado de crescimento econômico baixo, que é o melhor ambiente de todos para a consolidação das desigualdades de riqueza e poder.

Muito provavelmente estamos retornando a um estado não muito diferente das velhas aristocracias, onde riqueza e poder são hereditários, mantidas dentro de estritos círculos e mantidos fora do alcance popular.

Nem a fenomenal difusão do conhecimento espalhado na Internet é poderosa o suficiente para mudar a direção de curso, se nossa imaginação não pode ir além dos limites que o partido Neoliberal estabeleceu para nós. O futuro parece muito bem definido.

Mas podemos esperar duas coisas. Uma inevitável, imprevisível e terrível; outra improvável, imprevisível e epicamente inspiradora.

Onde existe esperança

A primeira é a mudança climática.

As melhores evidências dizem que teremos uma elevação de 2,4 a 6,4° Celsius na temperatura global neste século. 2,4°C seriam catástroficos para muitos e estão acima do ponto que o conservador IPCC diz que não devemos passar.

Qualquer coisa acima de 4°C e nossa sobrevivência estaria em risco.

Termos como “ponto crítico” e ” sexto evento de extinção em massa da Terra” (um evento em que pelo menos 75% das espécies do planeta são mortas) começam a aparecer nos modelos em torno de 3°C.

O que parece certo é que, com uma velocidade que mal podemos imaginar, as florestas se tornarão desertos, antigos rios secarão e padrões climáticos violentos se intensificarão ao redor e acima de nós.

Uma forma de caos, em outras palavras, se instalará.

Os 0,01% sabem disso; Ninguém em sã consciência duvida da ciência básica. Eles podem dançar a dança das falsas intenções publica e politicamente, mas eles sabem que está chegando.

E, se apenas por um compreensível instinto de sobrevivência pessoal, eles podem se preparar com toda sua riqueza e poder, mas as forças desencadeadas pelas mudanças da humanidade são totalmente e completamente imprevisíveis.

Nada pode ser preparado para garantir a proteção da ordem atual de riqueza e poder.

Se suprimida até que as pessoas só possam responder com pânico violento de sobrevivência, pode acabar sendo terrível e sangrenta. Em algumas partes do mundo já é.

Isso soa dramático. Talvez tanto que você se encontre mentalmente recuado. Isso é natural; nossas mentes, como nossos corpos, esquivam, instintivamente, da dor. Mas isso não muda nada.

Algumas pessoas acreditam que as dádivas tecnológicos proporcianadas pelo neoliberalismo evitarão os piores impactos das alterações climáticas. Eu não sou um deles.

Não quer dizer que não houve um certo promissor progresso – 14% de toda a energia consumida na União Europeia em 2012 veio de fontes renováveis, em vez de 8% há menos de uma década, e conceitos emergentes como máquinas “plástico para óleo” sugerem que coisas extraordinárias e transformadoras não estão muito longe do horizonte – mas dois fatos básicos dão a isso uma última esperança.

Primeiro, como mencionado acima, qualquer progresso ocorrendo em lugares como a Europa está sendo anulado em muitas vezes pelo aumento nas emissões de gases do efeito estufa em outros lugares graças à explosão do consumismo, particularmente na Ásia, onde o consumo em geral deverá aumentar 100% nos próximos dez anos.

Mais importante, porém, é o efeito do lapso temporal. Já emitimos bastante gases de efeito estufa na atmosfera para gerar um aumento de 3°C na temperatura média global.

A menos que surja algo nos próximos dois ou três anos que possa retirar o carbono da atmosfera e impeça-nos de emitir mais, praticamente fizemos nossa cama de 3°C e vamos dormir nela.

Se alguém já tiver esse tipo de tecnologia disponível, faz um excelente trabalho em mantê-la para si mesmo.

A segunda esperança é um levante popular global. Tem que ser global para equiparar à grandeza de forças e das estruturas que ele deve desafiar.

Além disso, é difícil saber como ele pareceria porque praticamente a única coisa que seria provável é algo muito improvável, algo que não se parece com nada que já tenha acontecido.

Digo isto porque existem inúmeras pessoas inteligentes trabalhando todos os dias para mudar as coisas, com táticas e estruturas organizacionais, e eles estão chegando, para todos os efeitos, em nenhum lugar.

Estou falando das muitas milhares de ONGs que estão permanentemente em campanha e fazendo lobby para gerar mudança política dentro do sistema.

Até mesmo as novas formas de organização global on-line como Avaaz.org, com seus 35 milhões de endereços de e-mails, geralmente funcionam dentro das linhas de aceitabilidade previsível e, portanto, controláveis.

O que limita a todos esses modelos é que eles têm confundido táticas com estratégia.

Eles encontraram uma tática – o tipo de protesto leve e educado de apoio público que não ameaça o seu acesso ao poder, mas não vai além de qualquer visão, muito menos ação prática, que poderia concebivelmente ser chamada de estratégia para desafiar a raiz dos problemas que eles dizem querer consertar.

Assim, eles são definidos e contidos dentro de uma caixa muito menor do que a sua retórica e publicidade sugerem.

Eles falam em tom despolitizado, não exigem quase nenhum investimento para suas causas, não podem desafiar os fundamentos do poder e nada no universo chega perto de fazer o que eles prometem.

Nada no patamar de revolta popular seria de fato considerado pela estrutura.

Revolta popular é a tomada da Bastilha. É o Parque Gezi, a Praça Tahrir, os protestos de rua no Rio e o Occupy Wall Street, todos num só.

Revoltas populares são coisas poderosas, esmagadoras, transformadoras da realidade. Eles operam de fora para dentro. Elas reformulam ideias consideradas imutáveis até que a mudança aconteça.

Na sua formação, elas são indetectáveis pelas estruturas de poder; devem estar prontas para atordoar e transpassar o aparato que protege o status quo.

Revoltas populares são o extraordinário enxame de pessoas atrás de um objetivo comum. Elas são a expressão de descontentamento tão profundo que muitas vezes não se consegue traduzir em palavras, mas tão claro que as pessoas podem ver nos olhos umas das outras.

Elas podem parecer ter vindo do nada, embora quase nunca o fazem. Mas sua aparência é moldada dessa forma por serem inusitadas, difíceis de controlar, e pegarem as pessoas despercebidas. E elas podem dissipar muito rapidamente, mas não são menos gloriosas por isso.

Então o que podemos fazer agora é nos organizarmos.

Construir esperança. Forçar os limites da imaginação. Encontrar e juntar-se a outros que vêem o mundo como ele é, não como nos dizem ser.

Sermos elegantes com o que sabemos e humildes com o que não sabemos. Sermos destemidos de viver naquele espaço entre o conhecimento e a ignorância, porque esse é o lugar mais dinâmico de inovação e descoberta.

Ignorar os cínicos que exigirão, por escassez de sua própria imaginação, que elaboremos um projeto para o futuro.

Mudanças nessa escala nunca acontecem de acordo com um plano, apenas com mudança dos valores; e vermos com ressentimento argumentos como este seria o equivalente moderno de “Se não têm pão, que comam bolos”.

E, enfim, os cínicos são sempre cínicos e eles nunca fazem nada, então deixe que critiquem da penumbra se isso os faz sentirem-se mais importantes.

Nós devemos estar sempre conscientes do momento, sem medo de falhar e fiéis à ideia de que, desde o início brilhante e popular, possa emergir uma oposição global sustentável ao partido Neoliberal.

Devemos amar a nós mesmos e a nossos adversários o suficiente para sermos misericordiosos, compreensivos e pacíficos.

O Occupy Wall Street, os Indignados, o Projeto para o Avanço de Nossa Humanidade, os Zapatistas e o Ekta Parishad são o solo do qual vão crescer a imaginação e, em seguida, a forma do que é possível.

Eles serão alimentados por um pequeno exército de mentes estudiosas, frequentemente dispostas em segundo plano, por trás das massas protestantes, mas que agora se tornam cada vez mais confiáveis transformando seus pensamentos em livros como O vírus Liberal, de Samir Amin; Origens da Moral: A evolução da virtude, altruísmo e vergonha, de Christopher Boehm; Sem Logo – A Tirania das Marcas em Um Planeta Vendido, de Naomi Klein; Estados de Negação, de Stanley Cohen; A origem da riqueza, de Eric Beinhoffer; a coleção de ensaios inspiradores editada por David Bollier e Silke Helfrich em A Riqueza dos Comuns: um Mundo Além do Mercado e do Estado; Dívida: os primeiros 5000 anos, de David Graeber; Economia Sagrada, de Charles Eisenstein; e mesmo o pesado e convencional Capital no Século 21, de Thomas Pikkety.

Existem organizações como a Fundação da Nova Economia, Positive Money, Strike Debt e o Instituto para o Novo Pensamento Econômico construindo a base da pesquisa e impulsionando a compreensão pública além dos limites da hegemonia econômica.

Todos estão alimentando esse número crescente de experiências em como provocar um renascimento da democracia popular, misturados ao espírito jovem e esperançoso do Occupy.

Grupos como o Movimento Cinco Estrelas na Itália, a Coalizão dos Trabalhadores de Immokalee na Flórida, os alunos do Inverno Chileno e os Quenianos para Justiça Fiscal em Nairobi que atualmente estão na vanguarda, pensando grande e se arriscando para encontrarem um caminho através das defesas do partido Neoliberal.

Eu iria mais longe ao dizer que algo como um movimento coeso está tomando forma. E certamente há milhões, bilhões de pessoas em casas e cabanas por todo o mundo, que iriam responder se o alerta certo soasse.

Esse alerta deve ser de oposição polêmica ao status quo. Nunca se deixe enganar pela falsa virtude do “trabalhando por dentro” ou do incrementalismo caridoso.

Este não é o momento.

A esperança de uma mudança real é traída toda vez que Elizabeth Warren verbaliza as perguntas simples que todos nós temos aos grandes bancos nos Comitês do Senado Norte-Americano, e em seguida dialoga com Hilary Clinton, uma “informante” por excelência para o Presidente.

Precisamos criar uma espécie de tensão no debate que só pode ser criada entre pólos opostos, para estimular as mentes mais brilhantes.

E somente quando existe genuína tensão que o verdadeiro progresso é feito.

Então precisamos de um polo oposto ao neoliberalismo para tomarmos a imaginação do público e sermos vistos como confiáveis, esperançosos e, francamente, mais lógicos.

Não digo apenas tomar as políticas do neoliberalismo e invertê-las; Tudo privado se torna tudo público; impostos baixos tornam-se altos impostos; ‘livres mercados’ [sic] se tornam não-livres.

Quero dizer algo que, acima de tudo, expressa uma filosofia moral que homenageia nossa humanidade comum e capta o bem que temos dentro e ao redor de nós, ao invés de simplesmente rejeitar todas as formas de capitalismo e modernidade em favor de um velho estado de ser.

Algo que se esforça para se concentrar sobre o desenvolvimento humano em toda a sua complexidade magnífica, vibrante e irreconhecível.

Algo que, através de sua simples existência, expõe o neoliberalismo como a relíquia extrema e unidimensional que é.

Precisamos de uma oposição que tenha a coragem de aceitar o fato de que na maior parte da nossa história, a aquisição de riqueza não foi nossa preocupação instintiva.

Nós devemos libertar a sociedade desse objetivo ou qualquer novo governo vai continuar a negar tudo o que faz a vida valer a pena.

Se nós fincarmos estas fundações com imaginação e clareza suficientes, escolhendo uma plataforma política – ou melhor, muitas plataformas políticas distintas – isso será a parte fácil.

Nesse momento, temos o extraordinário dom de sermos capazes de ver, ouvir e falar uns com os outros livremente através da Internet.

Podemos ouvir a mente coletiva da humanidade, como ela processa o pensamento e evoca novas idéias.

Podemos rastrear os fluxos de energia memética, do maior para o mais granular, como eles se movem através das sociedades.

Podemos nos conhecer como nunca antes. Mas por quanto tempo?

Estamos em uma guerra entre o poder inexplicável e provavelmente hereditário e democracia popular.

Como prioridade, temos de proteger o acesso gratuito à Internet e não deixá-lo ser sequestrado pelo partido Neoliberal.

Se o suficiente de nós, os 99,9% pudermos reconhecer a esperança e o potencial no outro, assumirmos um pouco mais de responsabilidade para o nosso futuro comum e o de nossos filhos e, então, a democracia, e o melhor da humanidade, não precisará ser perdida para o Partido Único.