Em uma vida moderna líquida não há laços permanentes

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram

Conhecido pelo conceito de “modernidade liquida”, o sociólogo polonês Zygmunt Bauman, morto em janeiro de 2017, aos 91 anos, é citado com frequência por profissionais de marketing e comunicação, sobretudo, quando os temas estão ligados ao comportamentos nas redes sociais e ao consumismo.

Esse texto do Meio & Mensagem faz uma reflexão a respeito da obra dele.

Em 1990, Bauman resumiu seu conceito: “em uma vida moderna líquida não há laços permanentes, e qualquer coisa que seguramos por um tempo deve ser amarrada vagamente para que os laços possam ser desatados novamente, tão rápido e tão facilmente quanto possível, quando as circunstâncias mudarem”, afirmou.

Observador dos movimentos de interação social digital, Bauman deixava claro, em suas entrevistas, o que pensava sobre a influência das redes sociais. Veja cinco pensamentos do estudioso sobre o tema:

Evitam a controvérsia
Em entrevista ao jornal El País, em janeiro do ano passado, Bauman afirmou que as redes sociais são uma armadilha. “As redes sociais não ensinam a dialogar porque e muito fácil evitar a controvérsia.”

Reprime habilidades sociais
Também em entrevista ao El País, Bauman disse que as plataformas de interação social reprimem as habilidades sociais. “E tão fácil adicionar e deletar amigos que as habilidades sociais não são necessárias neste ambiente.”

São desconectáveis
Em uma palestra no Fronteiras do Pensamento, Bauman ressaltou o caráter efêmero das plataformas sociais: “um viciado em Facebook me confessou que se gabava de fazer 500 amigos em um dia, eu disse que tinha 86 anos e nunca cheguei a ter 500 amigos”

Motivam a preguiça
Em entrevista à revista Época, em 2014, Bauman ressaltou que as interações sociais ganharam a aparência de brinquedo de crianças. “Não parece haver esforço na parte virtual de nossos vidas. Para mudar o mundo, os jovens precisam trocar o mundo virtual pelo real.”

Capacidade de processar informação
Ao jornalista Alberto dines, do Observatório da Imprensa, Bauman afirmou que a velocidade e a quantidade de informação disponível é mil vezes maior que o cérebro humano pode processar. “Quando busco algo no Google aparecem bilhões de respostas sobre algo.” 

Na foto de abertura Bauman em sua casa, em Leeds (foto: Gianluca Cecere)