Documentário Citizenfour é pista para compreender metodologia do The Intercept

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest

A estratégia de tentar desqualificar o The Intercept e a montanha de dados vazados da Operação Lava Jato de posse da equipe liberada por Glenn Greenwald não vai funcionar.

Se alguém ainda tem dúvida disso, assistir ao documentário vencedor do Oscar de 2015, Citizenfour, pode dar uma pista de como Greenwald e os jornalistas do site trabalham.

Citizenfour é um documentário dirigido por Laura Poitras, que trata do escândalo de espionagem pela NSA e como se deram os encontros com Edward Snowden antes e depois de sua identidade ser revelada ao público.

Um documentário premiado

Laura e Greenwald na entrega do Oscar de Melhor Documentário em 2015

 

O filme, produzido por Laura Poitras e Steven Soderbergh, teve sua estreia norte-americana em 10 de outubro de 2014 no Festival de Cinema de Nova York e sua estréia na Inglaterra em 17 de outubro de 2014.

Em 2015, recebeu o prêmio da Associação Internacional de Documentários e foi indicado para o Oscar no mesmo ano, vencendo como melhor documentário.

Também em 2015, o documentário ganhou o prêmio Spirit Award como “Melhor Documentário”.

Em julho de 2015, o filme foi indicado ao Emmy Awards, que foi ao ar em setembro do mesmo ano.

É um documentário de tirar o fôlego. Vale investir quase duas horas e acompanhar cada detalhe do contato da fonte Snowden com Greenwald, o encontro onde as revelações foram feitas e as consequências dos vazamentos.

Vazamento em conta-gotas

Existe uma semelhança grande entre os atuais vazamentos da Lava-Jato e a forma como foram publicadas as informações do Caso Snowden: Greenwald e a equipe do jornal britânico The Guardian trabalharam juntos e as informações tornaram-se públicas dia após dia.

Leandro Demori, editor-executivo do The Intercept Brasil, disse ao site Brasil 247 que os arquivos são colossais.

A gente não esta falando sobre o tamanho do arquivo. Não posso responder isso. O que posso dizer é que é um arquivo muito grande, um arquivo colossal, e que foram centenas e centenas de diálogos de grupos e de situações. Estamos falando ai de anos, praticamente a maior parte dos anos da Operação Lava Jato. E realmente muito grande, já fizemos um sobrevoo até agora, lá conseguimos mergulhar um pouco mais, mas é um trabalho de longo prazo. E uma maratona, não é uma corrida de 100 metros.

Ou seja, ao que parece, o caso, a exemplo do que aconteceu com Snowden, está apenas no começo.

De acordo com o The Intercept, a Lava Jato usou indevidamente o aparato jurídico para atender interesses políticos. O Código de Ética do Ministério Público, o estatuto da magistratura e a Constituição foram todos burlados.

É um caso claro de corrupção.

 

Assine o Oa e tenha acesso ao conteúdo completo do site.

Oa, jornalismo a serviço da sociedade.

 

Fechar Menu