Cada ser humano é original e único. Estamos aqui com um propósito

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram

Para muitos, o espírito da quarentena é o estar consigo mesmo. Mesmo quem não pode estar em casa ou para aqueles que moram numa casa com tanta gente que é praticamente impossível ficar sozinho por alguns instantes, o ritmo da vida está mudado.

Muitas lojas estão fechadas. Não há eventos culturais fora do mundo online. As conversas acontecem via chats, calls e lives (bate-papo, conversas e ao vivo). As cidades, cada uma à sua maneira, vivem um ritmo diferente de acordo com o grau de consciência ou de como a gravidade da Pandemia se mostra.

Portanto, não há como escapar ao menos da observação de que algo está diferente e alguma coisa se tornará diferente pra sempre.

O mundo do trabalho mudou. O cotidiano mudou. E aquilo que se previa para daqui a 10 anos se apresenta à nossa frente, e temos que aprender esse nova realidade num segundo. Quantas novas ferramentas do mundo online estamos usando agora?

Já vivemos um tempo de excesso de mundo online. Calls e lives e webibnars não são suficientes para preencher o vazio da falta de contato físico. Li, esta semana, que pesquisadores mostram a razão pela qual nos cansamos de usar recursos online, e a chave disso é justamente a falta do contato físico.

Parece óbvio, não é? Mas com o distanciamento ao qual muitos de nós estão vivendo, esse óbvio fica ainda mais óbvio.

Mas, inegavelmente, é um tempo de pensar. E observar.

Algo que vejo por mim e também ouço de pessoas que trabalham no mundo digital é que a produtividade aumentou. Conseguimos fazer mais chats, e lives e webinars e meetings online que no mundo físico.

Podemos, igualmente, aprender mais, estudar mais. Há infinito material disponível. E sem descolamentos, cafezinhos e outros parangolés, as reuniões de tornam mais objetivas. Vejo, com o passar dos dias, que podemos ser cada vez mais diretos, aproveitar melhor o tempo de contato online para resolver o que é preciso.

Sinto também que está havendo mais disciplina nos contatos online. Tempos definidos e pautas mais claras. Quem trabalha no mundo digital aproveita o tempo online e abre espaços para a vida real, do mundo das coisas que nos cercam.

Pra mim, isso aponta caminhos.

Tenho conversado com pessoas do mundo da tecnologia e inovação. Há praticamente uma unanimidade entre eles de que o mundo acelerou o processo digital. E que, cada vez mais as interações serão do jeito que estão sendo nesses tempos de quarentena.

Anotei algumas tendências.

Uma elas é a produção das indústrias cada vez mais robotizada. Já ouvi dizer que tudo que um robô pode fazer, fará. E isso trará e já está trazendo impactos fortes no mundo do emprego na indústria.

Ouço o mesmo do mundo do agronegócio, onde cada vez as grandes máquinas agrícolas são gerenciadas por inteligência remota e capazes de fazer o que vem sendo chamado de agricultura de precisão.

Tenho grandes ressalvas a esse mundo de agronegócio pensado em grandes máquinas, grandes extensões de terra, grandes quantidades de agrotóxicos e sementes geneticamente modificadas, mas ele existe. E com cada vez mais tecnologia no campo há menos pessoas trabalhando nas áreas rurais.

Só pra ficar nessas duas fontes, outrora grandes empregadoras. Mas há muito mais transformações em curso.

Então, se o emprego na indústria diminui e no campo também, e podemos pensar que no comércio também, pois cada vez mais se pensar em e-commerce, que resta para o ser humano? O que fazer e como trabalhar? Como se sustentar?

Outro pesquisador do mundo as inovações me chamou a atenção para um fato interessante: o mundo do emprego tal qual conhecemos tem por volta de 200 anos, começou com a Revolução Industrial. Antes disso, cada pessoa, cada profissional tinha seu ritmo e seu ofício.

Foi a Revolução Industrial quem exigiu todo mundo dentro de uma fábrica no mesmo horário para produção em larga escala, em linha de montagem. E isso moldou a sociedade que ainda vivemos hoje.

Mas com essa produção cada vez mais automatizada ou feita em países que ainda conseguem baixos preços e competitividade com mão-de-obra barata, o mundo do emprego como existia antes vem desmoronando.

Cada compra na Amazon, por exemplo, significa uma livraria (ou um negócio) a menos no mundo.

É o impacto inexorável da transformação. Em muitos aspectos, obviamente triste, pois estamos esgotando os limites do ser humano, dos animais e do planeta Terra, muitas vezes em nome de coisas descartáveis ou inúteis.

Por isso considero esse momento de parada obrigatória importante. Principalmente para que cada possa refletir a respeito de sua parte neste mundo.

Pois ao olhar para dentro temos a oportunidade de descobrir a força única que cada um de nós tem. Somos parecidos, humanos, temos necessidades semelhantes, mas cada um de nós é original e único. Cada qual com sua missão.

Sinto que é momento de pensar verdadeiramente o que é que estamos fazendo aqui? O que nos faz realmente felizes? E qual é essa nossa contribuição para nós mesmos e a humanidade?

Vivemos um mundo de comunicação de massa, onde comportamentos podem ser controlados por forças poderosas. Ideias que achamos que são nossas nem sempre vieram de nossa cabeça.

Ao parar e pensar temos essa grande oportunidade de examinar nosso coração. De olhar bem dentro e se conectar com a gente mesmo e com a grande força do Universo e assim encontrar a resposta.

Acredite: a força está dentro de você. E ao se transformar toda a realidade à sua volta de transformará também.

Cada ser humano é original de único. Estamos aqui com um propósito. Encontre o seu.

Image by Valiphotos from Pixabay

Apóie o jornalismo independente

O Oa é financiado por seus assinantes. Não aceitamos conteúdo pago ou publicidade através de banners. Essa é a maneira que escolhemos de manter nossa independência e, assim, fazer jornalismo de qualidade com isenção e autonomia. Junte-se a nós.