A história é escrita por aqueles que dizem não

Image by Alexas_Fotos from Pixabay
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram

Anotei num antigo caderno, que já não tenho mais, uma frase que seria atribuída ao pensador francês Andre Malraux:

A história é escrita por aqueles que dizem não

Procurei essa frase entre os muitos escritos de Malraux publicados na Internet, mas não a encontrei. De qualquer forma, essa frase está na minha cabeça e faz sentido pra mim hoje.

Pois está mais do que na hora de dizer não e fazer história.

E alguns nãos estão aparecendo, devagarinho, mas começa a se desenhar uma reação.

O liker é um NÃO ao Facebook

Uma alternativa nas redes sociais. Uma rede social que tem como proposta voltar à essência das redes: conectar pessoas & ideias.

O CoopCycle é um NÃO aos aplicativos de entrega

No Brasil, greve dos Rappis, em 1º/7. Na Europa, cresce a CoopCycle, rede de cooperativas de entrega. Com a mesma tecnologia das grandes plataformas, vem com itens a mais: solidariedade, proteção e direitos sociais

O Bookshop é um NÃO a Amazon

Comprar livros e ao mesmo tempo fortalecer as pequenas livrarias. Algo que, definitivamente, a Amazon não faz.

São pequenos exemplos de que algo novo pode surgir. Está surgindo.

Assim é Linux.
O movimento do software livre.
A produção de alimentos em casa.

São NÃOs ao um sistema que oprime e aliena.

E é mais do que necessário dizer não.
E dizer não é encontrar alternativas.
O momento é de um basta a um sistema que contempla poucos.

No Brasil, esta semana Senado aprova lei da privatização dos sistemas de água — e a lei cria a figura jurídica da empresa produtora de água. Produtora de água? Não mesmo.

Na mesma semana, a curva de contágio do vírus cresce, o número de mortos também. No mundo todo aparecem novos focos. Ainda não acabou e nem se sabe como e quanto acaba.

A irresponsabilidade e a pressão econômica colocam as pessoas nas ruas.

O Ártico registra a temperatura mais alta desde sempre: 38 graus. Assustador. E o que está acontecendo lá nos afeta a todos.

Portanto, que volta é essa ao normal de que tantos falam? Que normal é esse?

Acham normal alguém achar que outra pessoa vale menos porque é preto? Ou árabe? Branco ou japonês, chinês, baiano ou argentino? Ou porque escolheu uma opção afetiva-sexual diferente da sua? Como é isso? Só existe raça de humanos no planeta, a raça humana, que ainda pra ser humana precisa caminhar muito.

Examino o que mais está faltando para que muitos compreendam que a água vale mais do que dinheiro. Que floresta em pé é mais valorosa que um campo de soja.

Pra mim, parece tão claro que um mundo onde existe injustiça não faz felicidade. Comprar bagulhos reluzentes em shopping não é a solução para ser feliz. Muitos tem muito pouco e alguns tem muito mais do que precisam.

Qual o sentido disso?

Uma vida tem 80 a 90 anos, talvez. É o tempo que temos por aqui. Que estamos fazendo com esse tempo? Acumulando coisas? Nada, absolutamente nada material vamos levar daqui.

Levaremos apenas o que ficar gravado na memória do espírito.

E a memória é gravada com amor. O que fizermos com amor ficará gravado para sempre. Nossos erros também, obviamente. Mas somos os únicos responsáveis por eles, por nossa vida. Podemos escolher então o que gravar, o que fazer com nosso tempo aqui na Terra.

Depende de nós. De cada um de nós.

Depende, muitas vezes, de dizer não para o que não queremos.

Depende de ter coragem para olhar dentro de si e seguir o que coração manda. O coração espiritual que revela nossa verdadeira missão aqui.

Dizer não para convenções tolas. Não para distrações. Falsos brilhos.

Olhar verdadeiramente de perguntar: quem sou eu? O que estou fazendo aqui? E a partir daí escrever a própria história, original e única.

Viver e não deixar a vida passar.

Esse mundo da humanidade é precioso para mostrar o real valor das coisas — mas é preciso querer ver.

O tal normal não volta mais.

Ainda bem.

Pois não pode ser normal um mundo onde exista tanta desigualdade e sofrimento.

Não precisa ser assim.

Está sendo assim porque senhores do poder e do dinheiro querem poder e dinheiro cada vez mais — a ganância não tem limites. E eles tem os meios de domínio.

Mas, mesmo assim, é possível dizer não.

Empresas viraram pó em poucas semanas de Pandemia. Airbnb é uma delas. Tudo muda o tempo todo. E rápido.

O Facebook, essa nefasta rede global de desinformação, perde bilhões em alguns dias boicotado por anunciantes insatisfeitos e inspirados pelo Stop Hate For Profit (pare de dar lucro ao ódio, em tradução livre).

Um NÃO coletivo transforma.

E já não passou da hora que muitos dizerem NÃO juntos?

Eu digo NÃO.

Não.

Pois me importo. Minha vida está conectada. E o sofrimentos dos outros me faz sofrer também.

Não.

Não.

O que está errado está errado.

E eu quero estar do lado certo da história.

Apóie o jornalismo independente

O Oa é financiado por seus assinantes. Não aceitamos conteúdo pago ou publicidade através de banners. Essa é a maneira que escolhemos de manter nossa independência e, assim, fazer jornalismo de qualidade com isenção e autonomia. Junte-se a nós.

A foto de abertura é de Alexas_Fotos from Pixabay